Menos 59,43 milhões de cigarros vendidos desde o início do ano

Orçamento penaliza fumadores
Orçamento penaliza fumadores

O consumo de tabaco está a cair desde o início do ano e em apenas dois meses venderam-se menos 59,43 milhões de cigarros do que no período homólogo de 2012. Em quebra estão igualmente as cigarrilhas e charutos, segundo indicam os dados da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT). Apesar disto, a receita fiscal está a subir, o que se deve ao aumento do imposto que estes produtos sofreram com a entrada em vigor do Orçamento do Estado deste ano.

Entre janeiro e fevereiro, o consumo de cigarros recuou 17,55% , o que reflete um quebra de vendas equivalente a 59,43 milhões de cigarros. Nas cigarrilhas, registou-se naqueles dois meses uma descida homóloga de 63,08% (menos 797 mil unidades) e nos charutos a quebra foi de 89,13% (equivalente a menos 130 mil).

O decréscimo no consumo destes produtos não constitui uma novidade de 2013, tendo já sido observada ao longo de 2012, ano em que a subida dos impostos não poupou o tabaco. Este ano, o Imposto sobre o Tabaco voltou a subir e tudo indica que está a provocar nova retração no consumo.

No essencial, a taxa do IT sobre os cigarros subiu 1,3%, o que significa que por cada mil cigarros o imposto passou sde 78,73 euros para 79,39 euros. Em relação a elemento ad valorem, o Governo optou por mante-lo nos 20%, mas agravou-o nos charutos e nas cigarrilhas – passando este de 15% para 20%, em linha com o que pagam os cigarros.

Em 2012, a subida do IT nos cigarros, levou muitos fumadores a virarem-se para o tabaco de enrolar. Para este ano, a AT ainda não disponibilizou dados sobre o consumo deste produto, mas a carga fiscal foi agravada e poderá também aqui ter um impacto negativo.

Apesar da quebra das vendas, a receita do imposto está para já a aumentar. No final de fevereiro, o Governo tinha já arrecadado 176 milhões de euros por conta do IT, mais cinco milhões do que no mesmo período de 2012. Se neste imposto as previsões do Governo acertarem, o valor da receita deverá ascender a 1,35 mikl milhões de euros, no final do ano.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
(Rui Oliveira / Global Imagens)

Marcas aceleram nas promoções para tirar travão nas vendas

Fotografia: Gonçalo Delgado/Global Imagens

Resposta à pandemia traz riscos de má gestão e corrupção do dinheiro público

Restauração recuperou volume de negócios

CIP: 61% das empresas ainda não recebeu financiamento

Menos 59,43 milhões de cigarros vendidos desde o início do ano