Empresas

Menos turismo, mais transportes. Criação de empresas bate recorde em 2019

( Paulo Jorge Magalhães / Global Imagens )
( Paulo Jorge Magalhães / Global Imagens )

Transportes e construção foram os setores que mais cresceram. Imobiliário e turismo estão em queda.

Os portugueses criaram quase 50 mil empresas em 2019, um novo recorde máximo. Face ao ano anterior, o crescimento foi de 6,4%, o que equivale a mais três mil empresas criadas em comparação com 2018. Segundo o barómetro da plataforma Informa D&B, o ano que passou foi o terceiro consecutivo de crescimento na constituição de novas sociedades.

De acordo com os dados recolhidos, os setores dos Transportes e da Construção foram os mais dinâmicos na criação de novas empresas. Foram constituídas mais de 4300 empresas de transportes, o dobro do número registado um ano antes. A subida expressiva deve-se à “lei da Uber”, explica o barómetro. Praticamente todas as empresas criadas neste segmento foram registadas no subsetor de ‘Transporte ocasional de passageiros em veículos ligeiros’,

O aumento começou por ser sentido em Lisboa, tendo alastrado aos distritos do Porto, Faro e Setúbal ao longo do ano. Dois terços destas novas sociedades são unipessoais e mais de 80% faturam menos de 50 mil euros.

No caso da Construção, o aumento foi menor, apesar de significativo. Foram criadas mais de 5300 empresas, o que representa um aumento homólogo de 24%. A subida foi sentida, sobretudo, no segmento ligado à ‘construção de edifícios’, mas também noutras atividades como ‘montagem de trabalhos de carpintaria e caixilharia e pintura’ ou ‘instalação elétrica’. A atividade, no seu todo, passou a ser a terceira com mais empresas criadas no país.

Em sentido inverso, com menos dinâmica na criação empresarial, estão os setores que nos últimos anos suportaram a recuperação da economia. O registo de novas sociedades relacionadas com turismo, imobiliário e alojamento de curta duração sofreu um declínio em 2019.

A criação de empresas ligadas ao imobiliário recuou 6%. Surgiram menos de cinco mil novas sociedades no ano que terminou, com o distrito de Lisboa a registar a maior contração. Ainda assim, 93% das empresas deste ramo constituídas desde 2014 ainda se mantêm em atividade.

Já a criação de empresas ligadas ao ‘alojamento de curta duração’ caiu perto de 16%. No entanto, o subsetor ‘Hotelaria e turismo rural’ compensou esse declínio, ao crescer perto de 10%. Na restauração o crescimento não chegou a 1% no acumulado do ano.

O barómetro da Informa D&B denota ainda que em 2019 houve uma redução expressiva dos encerramentos de empresas em comparação com o ano anterior. Em 2018 o número de encerramentos tinha batido um recorde com dez anos. No ano passado houve menos 17% de sociedades a fechar. Em 2019, por cada 3,1 empresas criadas, houve uma que fechou portas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. Fotografia: Adelino Meireles/Global Imagens

TAP também vai avançar com pedido de layoff

Veículos da GNR durante uma operação stop de sensibilização para o cumprimento do dever geral de isolamento, na Autoestrada A1 nas portagens dos Carvalhos/Grijó no sentido Sul/Norte, Vila Nova de Gaia, 29 de março de 2020. MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Mais de 80 detidos e 1565 estabelecimentos fechados

Menos turismo, mais transportes. Criação de empresas bate recorde em 2019