Energia

Mercado livre vale já 95% da eletricidade e 98% do gás natural

Foto: DR
Foto: DR

Há já mais de 5,2 milhões de consumidores no mercado livre de eletricidade e mais de 1,2 milhões no gás natural. Têm 1673 ofertas comerciais à escolha

O número de clientes no mercado liberalizado continua a crescer em Portugal: são já mais de 5,2 milhões na eletricidade e 1,2 milhões no gás natural. Em termos de consumo, o peso total do mercado liberalizado é já de 95% no caso da eletricidade e de 98% no gás natural. Os dados são da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), que destaca que o crescimento deste mercado “é feito à custa, principalmente, dos segmentos de clientes domésticos”, dado que, nos segmentos empresariais, a proporção de consumo presente no mercado liberalizado se aproxima já dos 100%.

Só em 2019, deram entrada no mercado liberalizado de eletricidade 293.760 novos clientes, correspondentes a um consumo total de 1.486 GWh. No mesmo período, saíram do mercado livre 150.711 consumidores, responsáveis por 569 GWh de consumo. São menos 20 mil saídas do que no ano anterior. E as mudanças dentro do mercado livre cresceram: houve 456.072 consumidores a procurar uma oferta mais atrativa, dos quais 443.908 eram clientes domésticos.

O Relatório Sobre os Mercados Retalhistas de Eletricidade e Gás Natural em 2019 mostra, ainda, que, no final de 2019, restavam no mercado regulado de eletricidade apenas 1,03 milhões de clientes, menos 8,1% do que no ano anterior. Em termos de consumo, o mercado regulado caiu 14,1%, “a maior queda percentual dos últimos três anos, apresentando um consumo anualizado de 2.491 GWh em 2019”, refere a ERSE. A entidade reguladora destaca, ainda, que o segmento doméstico é o que regista o crescimento “mais acentuado” na percentagem de consumo no mercado livre, tendo passado de 76% para 87% no espaço de cinco anos. Na comparação face ao ano anterior, o acréscimo foi de 2%, que compara com o valor de 1% registado em 2018. “Este facto é particularmente significativo tendo em conta a maturidade do mercado entretanto alcançada”, refere o regulador.

O ano de 2019 marcou ainda a entrada de três novos agentes no mercado livre da eletricidade, fazendo aumento o número de comercializadores para 32. Destes, 12 atuam também no segmento do gás natural: “A concorrência é fundamental para garantir que os mercados de energia funcionam no interesse dos consumidores – gerando benefícios aos consumidores, incentivando as empresas a serem mais eficientes e fornecendo serviços a preços competitivos”, destaca a ERSE no seu relatório. E a crer no número de ofertas comerciais existentes – 1673 no total, das quais 538 correspondem a ofertas duais, ou seja, que contemplam eletridade e gás natural – a concorrência é muita. A Galp Power é o comercializador com o maior número de ofertas: nada mais, nada menos que 1.358, sendo 475 só de eletricidade, 378 só de gás natural e 505 em ofertas duais.

“À exceção da Galp Power, o comercializador com o maior número de ofertas é a Endesa, com 93 ofertas no total, 63 só de eletricidade, 18 só de gás natural e 12 duais, seguindo-se a Iberdrola com 41 ofertas no total. A EDP Comercial, sendo o comercializador com o maior número de clientes é apenas o quinto em termos de número de ofertas comerciais, com 28 no total”, pode ler-se, ainda, no relatório.

Diz a ERSE que o número médio de ofertas por comercializador foi de 64, mas que, excluída a Galp Power, esse valor se reduz para 13. Quanto ao tipo de ofertas, “reforçou-se a tendência de não imposição de condições de fidelização, que apenas acontece em 11% das ofertas”, destaca o relatório. Nas que impõem condições de fidelização, a grande maioria das penalizações vão até 25% da fatura mensal.

Em termos de quota de mercado, a EDP Comercial mantém-se como o comercializador líder em número de clientes, com quotas de 78% e de 53% na eletricidade e no gás natural, respetivamente. Na análise por consumo, a liderança é repartida entre a EDP Comercial, com 42% na eletricidade, e a Galp Power, com 60% no gás natural.

Analisado apenas o mercado de eletricidade, a Galp Power perdeu terreno para a Iberdrola e ocupa agora a quarta posição com 5% dos clientes no mercado livre. A segunda posição cabe à Endesa, com 7% (mais 0,9 pontos percentuais do que no ano anterior), e a terceira à Iberdrola, que cresceu 1,3 pontos percentuais, para uma quota total de mercado de 6%.

A EDP Comercial é a empresa que mais perde clientes nas mudanças dentro do mercado livre, mas, “continua a registar bons resultados nas transições do mercado regulado para o mercado livre – 58% dos clientes – e, em especial, nas entradas diretas de clientes sem contrato (com uma quota de 84%), o que mitiga a sua perda global de clientes”, diz a ERSE.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
(Global Imagens)

EDP faz aumento de capital de 1020 milhões para financiar compra da Viesgo

O ex-ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: Tiago Petinga/Lusa

Relatório aprovado. Centeno pode ser nomeado para o Banco de Portugal

(Rui Oliveira/Global Imagens)

Turismo: Eurodeputados portugueses exigem mais dinheiro e coordenação

Mercado livre vale já 95% da eletricidade e 98% do gás natural