Retalho Alimentar

Mercadona acelerou crescimento das empresas do Norte

Reportagem com os representantes das empresas portuguesas que construíram a grande superfície "Mercadona" de Gondomar.
Lurdes Pinto ACEUVE; Catarina Pinto ESFERA BRUTAL;l;  Carlos Pinheiro MERCADONA; Marina Flores FLOSEL; Ana Flores FLOSEL; Licínio Lima BMVIV,SA
(Ivo Pereira/Global Imagens)
Reportagem com os representantes das empresas portuguesas que construíram a grande superfície "Mercadona" de Gondomar. Lurdes Pinto ACEUVE; Catarina Pinto ESFERA BRUTAL;l; Carlos Pinheiro MERCADONA; Marina Flores FLOSEL; Ana Flores FLOSEL; Licínio Lima BMVIV,SA (Ivo Pereira/Global Imagens)

Grupo espanhol contratou serviços no setor da segurança contra incêndios, instalações elétricas e ar condicionado

A entrada em cena da Mercadona no mercado luso significou a abertura de uma nova janela de oportunidade para alguns empresários portugueses que, através destes supermercados, têm estabelecido relações proveitosas.

Só na área das instalações especiais são perto de 20 as empresas nacionais que colaboram com esta cadeia. Entre elas estão a BMVIV, a Esferabrutal, a Flosel e a Aceuve. Em comum têm o facto de se encontrarem localizadas na Região Norte e de estarem totalmente adaptadas ao modelo do grupo espanhol.

Licínio Lima é administrador da BMVIV, uma empresa perita em ares condicionados. Em declarações ao JN, o empresário destacou a existência de um clima de seriedade e de troca de ideias entre as partes. “É uma ligação muito transparente. Foi preciso desenvolver outras valências na nossa organização, mas pudemos trazer também o nosso conhecimento à Mercadona.”

Já a Esferabrutal tem a seu cargo o abastecimento de águas e a implementação da rede contra incêndios da Mercadona. Catarina Pinto, administradora, salientou o desenvolvimento registado pela empresa desde o início da colaboração: “A Mercadona funcionou como uma rampa de lançamento para que pudéssemos crescer. Antes de a termos como cliente empregávamos 10 trabalhadores, agora temos 20”.

Também da parte da Flosel – especializada em instalações elétricas e hidráulicas – é assinalada a satisfação pelo trabalho desenvolvido com a parceira espanhola. “Tem sido muito interessante porque as especificações técnicas são bastante diferentes daquilo a que estávamos habituados e isso foi um desafio”, comentaram Mariana e Ana Flores, duas irmãs que fazem parte da estrutura dirigente da Flosel. No que respeita à Aceuve, importa referir que esta é uma empresa de instalação e manutenção elétrica originária de Espanha.

No entanto, por via da cooperação mantida há cerca de 15 anos com a Mercadona e da chegada desta ao nosso país, estabeleceu-se em solo português com um projeto de raiz. Lurdes Pinto, responsável da Aceuve cá, explicou que foi necessário um processo de adaptação exaustivo: “Tivemos de nos adaptar ao cliente e à Mercadona de Portugal. Há vários critérios a que temos de obedecer e foi preciso criar uma estrutura rapidamente”.

Por fim, do lado da Mercadona, Carlos Pinheiro, o responsável pela contratação de instalações no departamento de obra e expansão, assegurou que haverá mais sinergias entre a companhia espanhola e o empresariado português. “Seguramente que, em função do aumento das necessidades, iremos estabelecer parcerias com muito mais empresas portuguesas”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Mercadona acelerou crescimento das empresas do Norte