exportações

Metalurgia cresce o dobro da média nacional mesmo com EUA e China a cair

Pedro Granadeiro/Global Imagens
Pedro Granadeiro/Global Imagens

Indústrias tradicionais em terreno positivo, com exceção do calçado, que cai quase 9%. Têxtil e vestuário está estável com 0,2% mais face a 2018

Não há abrandamento económico que pare a indústria metalúrgica e metalomecânica. O campeão das exportações, que sozinho assegura 23% das vendas externas da indústria transformadora, destinou, nos primeiros quatro meses do ano, 6.747 milhões de euros ao exterior, o que representa um aumento de 9% face a igual período do ano passado, mais do dobro da média nacional, que se ficou pelos 4,36%. Só as vendas para a Alemanha cresceram 14,3%, impulsionadas pela indústria automóvel. Em sentido contrário estão os negócios com os Estados Unidos e a China, a cair, respetivamente, 16,3% e 58,7%, com o metal nacional a ser apanhado nas malhas da guerra comercial entre os dois países.

“As exportações estão a crescer muito bem, em termos globais, e menos bem fora da União Europeia, onde estamos a sentir os efeitos colaterais da guerra comercial e das políticas restritivas de Donald Trump. Mas está é uma situação que parece estar para durar, já que tudo indica que poderá ser reeleito”, diz o vice-presidente da Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins (AIMMAP). Mas como os Estados Unidos são um “mercado incontornável”, e as empresas “não fazem política”, não há outra alternativa, diz Rafael Campos Pereira, que não seja “manterem-se resilientes”. O papel da associação é ajudá-las a entrar no mercado e, por isso, em setembro do próximo ano, haverá, pela primeira vez, uma delegação de empresas portuguesas a expor na IMTS, feira de tecnologia para a indústria, em Chicago.

Rafael Campos Pereira destaca, ainda, a “trajetória notável” do mercado italiano, no qual as exportações da metalurgia e metalomecânica cresceram 41,3% desde o início do ano. A explicação está numa certa desindustrialização italiana, que leva compra em Portugal de “peças técnicas para todo o tipo de indústria e de produtos de consumo que passaram a ser comprados fora em vez de produzidos internamente”.

Um fenómeno também sentido pela indústria têxtil e do vestuário (ITV) que está a crescer 6,1% no mercado italiano desde o início do ano. “Itália foi perdendo a sua fileira estruturada e orientada para a inovação e já não oferece às grandes marcas que tem a lógica de engenharia de produto que encontram em Portugal, que está a ganhar um estatuto de nova Itália, enquanto criador de têxteis inovadores e de soluções de serviço”, diz Paulo Vaz, diretor-geral da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP).

No total, as exportações da ITV estão em linha com o ano anterior – +0,2% -, embora com performances distintas por subsetores. Os têxteis crescem 2,7%, enquanto o vestuário e os têxteis-lar recuam 0,4 e 2,4% respetivamente. Ao contrário da indústria metalúrgica, é nos mercados extracomunitários que as vendas da ITV nacional se estão a portar melhor, com crescimentos a dois dígitos. Os Estados Unidos, por exemplo, cresceram mais de 16% e o Canadá 28,8%.

“A economia americana continua de boa saúde, apesar do senhor Trump ou por causa dele. Na verdade, a economia reage aquilo que são os estímulos de uma política mais amiga dos negócios e da iniciativa privada com grande pujança”, destaca Paulo Vaz, que admite ser difícil antecipar como se vai comportar o ano. “Não consigo definir tendências. Desde o início do ano tivemos dois meses de crescimento, um de queda abrupta e outro de recuperação, não sei o que vai acontecer daqui em diante. As empresas têm que estar atentas e não serem complacentes. Terem de saber ler os sinais dos mercados, serem mais exigentes com a sua própria gestão, diversificarem destinos e terem mais atenção ao comércio eletrónico”, refere, sublinhando: “Este não é um negócio para amadores, cada vez mais é para profissionais”.

Infografia JN

Infografia JN

Na fileira da madeira e mobiliário, as exportações crescem 3%, mas as importações avançam 6%. Em causa está, sobretudo, a falta de matéria-prima para dar resposta ao crescimento das exportações dos restantes setores, obrigando à sua importação para o fabrico de embalagens de madeira, por exemplo. O que acaba por ser, também, uma forma de exportação indireta, lembra Vítor Poças, presidente da associação das madeiras, a AIMMP. Por outro lado, a retoma do setor imobiliário e a “crescente concorrência” asiática ajuda a explicar o aumento das importações de mobiliário, refere o dirigente empresarial. Que lembra que o saldo da balança comercial se manteve sempre positivo entre 2010 e 2018, com as exportações a crescerem mil milhões de euros neste período contra os 500 milhões das importações.

A crescer, embora a um ritmo menor do que o habitual está, também, a cortiça, que em 2018 atingiu o seu máximo histórico ultrapassando os mil milhões de vendas ao exterior. Este ano “ainda é cedo” para fazer avaliações, diz João Rui Ferreira, presidente da APCOR. As rolhas asseguram 71% das vendas do setor e este é um mercado com uma décalage significativa face à vindima. Ou seja, os vinhos são engarrafados, no mínimo, um a dois anos depois da sua produção. E 2017 foi “o ano da colheita de vinho mais pequena em todo o mundo desde a II Guerra Mundial”, o que penaliza as vendas, reconhece João Rui, pelo que, o crescimento, mesmo que apenas de 2,2%, nos primeiros quatro meses do ano é visto como “extremamente positivo”.

O calçado não tem igual sorte. As exportações estão a cair 8,9%, apesar do crescimento nos Estados Unidos e no Japão, de 7 e 7,5% respetivamente, e das vendas para a China mais do que duplicarem face ao ano anterior. A questão é que mais de 85% do valor gerado pelo setor é obtidos nos mercados comunitários que estão, generalizadamente, em queda. “Não é uma questão só nossa, é um cenário visível um pouco por toda a Europa. Sentimos que o mercado está a mudar e o setor do retalho está a passar por uma fase de ajustamento, sobretudo no centro da Europa, que levou ao fecho de quase um milhar de sapatarias tradicionais nos últimos anos”, diz o diretor de comunicação da associação do calçado, a APICCAPS. A isto junta-se o crescimento do comércio online, mas, também, as questões climatéricas, com uma série de estações atípicas que “têm penalizado” as vendas de calçado.

Mas não só. Há, também, a questão do preço das matérias-primas. “O preço do couro recuou 30% nos mercados internacionais nos últimos cinco anos, o que ajuda a explicar alguma redução no preço médio do calçado português”, defende Paulo Gonçalves. Que invoca, ainda, as alterações do padrão de consumo, com o calçado desportivo a ganhar primazia sobre os sapatos clássicos que dominavam a oferta nacional. O que significa que “a indústria portuguesa conseguiu crescer 5% ao ano num período em que teve de se reformular completamente”. Olha, por isso, para os números de 2019 com “alguma tranquilidade”. “Nem de outra forma poderia ser. Continuamos a fazer o nosso trabalho de casa, com ações de prospeção, e queremos reforçar a presença nos EUA e no Canadá, bem como no sudeste asiático, onde acreditamos que há margem de crescimento”, frisa Paulo Gonçalves.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, durante a inauguração das Escadinhas da Saúde rolantes, ao Martim Moniz. Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens

Crescimento do turismo em 2019 é o mais baixo desde a última crise

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP.
JOÃO RELVAS/LUSA

Bancos ganharam mais de 5,2 milhões por dia

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP, durante a conferência de imprensa de apresentação dos resultados do 1.º trimestre de 2019, Lisboa, 9 de maio de 2019. JOÃO RELVAS/LUSA

BCP vai fazer uma proposta de distribuição de dividendos “muito conservadora”

Metalurgia cresce o dobro da média nacional mesmo com EUA e China a cair