transportes

Metro de Lisboa investiu apenas 10% do previsto até março

(Orlando Almeida/ Global Imagens)
(Orlando Almeida/ Global Imagens)

Dos 4,2 milhões previstos para ligar o Rato e o Cais do Sodré e remodelar a Linha Verde, o Metro de Lisboa aplicou apenas 487 mil euros.

Até março, o Metro de Lisboa investiu apenas 10% do montante previsto no Plano de Atividades e Orçamento para 2018. Durante os primeiros meses do ano foram aplicados pouco mais de 751 mil euros, longe dos 6,9 milhões que estavam planeados. Segundo o Metro de Lisboa, tal deve-se ao atraso no lançamento de empreitadas que precisam de autorização da tutela, avança o Jornal de Negócios.

O Metro de Lisboa previa ainda investir 5,6 milhões em infraestruturas de longa duração (IDL) em três meses, em obras como a ligação entre o Rato e o Cais do Sodré e a remodelação da Linha Verde, mas ficou-se pelos 679 mil euros.

Nos primeiros três meses do ano estava programado o investimento de 2,7 milhões no prolongamento da linha o Rato e o Cais do Sodré e só foram aplicados 105 mil euros. No caso da linha verde, o Metro planeou 1,5 milhões e só foram executados 382 mil euros. Até ao fim de 2018, o Metro quer investir 17 milhões de euros nestas duas linhas.

A procura tem vindo a aumentar e a oferta continua aquém, devido à falta de material circulante, “em função de alguns atrasos na manutenção, justificados quer pela falta de meios humanos, quer pela falta pontual de alguns materiais”, refere o Negócios. Desde novembro do ano passado, o Metro de Lisboa tem operado com um plano de contingência.

No primeiro trimestre, o Metro de Lisboa registou um volume de negócios de 27,1 milhões de euros, acima dos 25,6 milhões do mesmo período do ano passado. Os prejuízos diminuíram para 10,8 milhões, face aos 16,1 milhões registados no período homólogo de 2017.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Banca custou ao Estado mais 1,5 mil milhões de euros em 2019, agora ajude

coronavirus portugal antonio costa

Proibidos ajuntamentos com mais de cinco pessoas. Aeroportos encerrados

O primeiro-ministro, António Costa, fala aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros após a Assembleia da República ter aprovado o decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até ao final do dia 17 de abril para combater a pandemia da covid-19, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 2 de abril de 2020. 
 MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Mapa de férias pode ser aprovado e afixado mais tarde do que o habitual

Metro de Lisboa investiu apenas 10% do previsto até março