Imobiliário

Metro quadrado português ainda é dos mais baratos

atividade imobiliária

Portugal ocupa a 19.ª posição no ranking europeu dos preços das casas, situando-se abaixo da média, onde cada metro quadrado custa 6.157 euros.

Portugal ainda é um dos países da Europa onde é mais barato comprar casa. O preço médio ronda os 3.830 euros por metro quadrado, de acordo com os dados recolhidos pelo Gabinete de Estudos da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), com base no portal imobiliário internacional Property Guide.

Os números comparam o preço por metro quadrado de imóveis com cerca de 120 metros quadrados, localizados no centro das principais cidades europeias.

Portugal ocupa a 19.ª posição no ranking europeu dos preços das casas, situando-se abaixo da média da Europa, onde cada metro quadrado custa 6.157 euros.

“Portugal está a acompanhar a tendência das outras capitais europeias, que é a de subida ou manutenção dos preços das casas, que mesmo assim ficam muito abaixo de países como Reino Unido, França, Espanha ou Alemanha, o que confirma que a ideia de que as casas em Lisboa já estão aos preços de Paris é uma falácia”, diz Luís Lima, presidente da APEMIP.

O representante das imobiliárias reconhece que o valor por metro quadrado não se adequa à generalidade das famílias nacionais e defende o potencial do país para atrair investimento estrangeiro. “Apesar de haver um populismo negativo e generalizado sobre este tipo de comprador, a verdade é que este cria riqueza, emprego e novas dinâmicas económicas que são imprescindíveis, por exemplo, no interior do país”, refere.

A onda de investimento estrangeiro que se tem feito sentir no país leva Luís Lima a acreditar que “dificilmente os preços em Lisboa ou Porto cairão”. O dirigente da associação reconhece que este cenário representa um problema para as famílias portuguesas, defendendo que “urge a necessidade de introduzir no mercado ativos a preços acessíveis, que saciem as carências habitacionais que hoje se verificam. A solução passaria, na ótica da APEMIP, por incentivos aos proprietários e construtoras.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(DR)

Crédito ao consumo dispara 15% em outubro

(Paulo Spranger/Global Imagem)

Indemnizações pagas pelo Fundo de Garantia Salarial não escapam ao IRS

CP tem de entregar contrato de serviço público com o Estado até 31 de dezembro. (Leonardo Negrão / Global Imagens)

CP: Adiamento de manutenção de comboios regionais vale demissão

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Metro quadrado português ainda é dos mais baratos