Privatização

Miguel Relvas recusa-se a comentar interesse da Newshold na RTP

Licenciatura de Relvas pode ser anulada
Licenciatura de Relvas pode ser anulada

O ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas,
afirmou hoje que o modelo da privatização da RTP será conhecido “nas
próximas semanas”, escusando-se a comentar o interesse da Newshold na
empresa pública.

“Não me cabe a mim falar em nome das empresas”,
reagiu Miguel Relvas, quando questionado sobre o interesse revelado pelo
grupo económico de capitais angolanos para avançar para uma eventual
privatização da RTP, caso o modelo proposto pelo Governo se revele “um
negócio interessante”.

À margem da cerimónia de encerramento das
Jornadas Nacionais Contra a Violência Doméstica, em Lisboa, o governante
afirmou que “primeiro tem que ser definido o modelo: os termos e as
condições e depois o processo decorrerá”, adiantando que “o modelo será
conhecido nas próximas semanas”.

Em declarações aos jornalistas,
Miguel Relvas realçou que “as privatizações foram processos de uma
transparência total”, podendo mesmo dizer que “foram processos
imaculados”.

“Podia mesmo dizer que foram processos imaculados: o
da REN, o da EDP e agora o da ANA e da TAP. A transparência é um lema
que o Governo assume em relação a todos”, declarou.

Na cerimónia
foi formalizado o apoio financeiro à autonomização das vítimas de
violência doméstica acolhidas em casas de abrigo, no valor global de
meio milhão de euros.

Este apoio financeiro para as vítimas de
violência doméstica, acolhidas em casas de abrigo, poderem recomeçar uma
vida fora das instituições, é proveniente das verbas dos jogos sociais
explorados pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

O ex-governador do Banco de Portugal (BdP), Vítor Constâncio, na II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. TIAGO PETINGA/LUSA

BCP, Berardo e calúnias. As explicações de Constâncio no inquérito à CGD

Outros conteúdos GMG
Miguel Relvas recusa-se a comentar interesse da Newshold na RTP