Miguel Relvas “respeita” o “tomar no cu” de José Viegas

Passos diz que Relvas não cometeu abusos
Passos diz que Relvas não cometeu abusos

“Respeito e respeitamos a opinião de todos ex-membros do Governo”, declarou hoje Miguel Relvas, o ministro dos Assuntos Parlamentares, reagindo às críticas violentas do ex-secretário de Estado da Cultura a medidas recentes de controlo de faturas por parte do Fisco.

No seu blogue, conforme foi noticiado primeiro pelo DN, o ex-governante da Cultura, Francisco José Viegas, escreve, numa carta aberta a Paulo Núncio, que “se por acaso, algum senhor da Autoridade Tributária e Aduaneira tentar ‘fiscalizar-me’ à saída de uma loja, um café, um restaurante ou um bordel (quando forem legalizados) com o simpático objectivo de ver se eu pedi factura das despesas realizadas, lhe responderei que, com pena minha pela evidente má criação, terei de lhe pedir para ir tomar no cu”.

Na conferência de imprensa do Conselho de Ministros, Miguel Relvas foi confrontado pelos jornalistas relativamente a essa expressão mais vernacular. O ministro referiu que, apesar de não ter lido as declarações de Viegas, “respeito e respeitamos a opinião de todos os portugueses, tenham ou não feito parte de Governos ou deste Governo em particular”.

O ministro acrescentou que “muitas medidas são difíceis e delicadas”, mas sublinhou o Executivo “tem responsabilidades de governar, de saber assumir essas medidas e de estar à altura das responsabilidades”.

Relvas reforçou que o Governo não se desviará das suas responsabilidades e das políticas que têm de ser seguidas para que Portugal saia da crise.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Unlimited Future, da Nike

Nike. 20 milhões já viram este discurso motivacional. E você?

O primeiro-ministro António Costa.

El País. Bruxelas vai propor sanções para Portugal e Espanha

Johnny Depp está a desfazer-se da sua colecção de arte.

Johnny Depp vende obras de arte

Foto: REUTERS/Paulo Whitaker

Concorrência notificada sobre compra da TAP

Fotografia:EPA/MADE NAGI

Cinco hotéis em Portugal para apanhar os Pokémon

um horário de trabalho mais reduzido é sinónimo de uma vida mais saudável (70%) Fotografia: REUTERS/Neil Hall

Trabalhar mais de 40 horas? A resposta dos portugueses

Conteúdo Patrocinado
Miguel Relvas “respeita” o “tomar no cu” de José Viegas