Energia

Mina de lítio da Lusorecursos em Montalegre vai ser a céu aberto e em túnel

Exploração de lítio
Exploração de lítio. Foto: Rui Manuel Ferreira/Global Imagens

A Lusorecursos esclareceu que a mina de lítio em Morgade, concelho de Montalegre, vai ser mista.

A exploração vai efetuar-se primeiro a céu aberto, passando depois, à cota das aldeias, para túnel.

O diretor executivo (CEO) da Lusorecursos Portugal Lithium, S.A, Ricardo Pinheiro, disse à agência Lusa que a empresa está em fase de elaboração do Estudo de Impacto Ambiental (EIA), como “previsto no contrato de concessão” assinado com o Estado português.

O responsável esclareceu ainda que a exploração da mina vai ser mista e garantiu que “nunca foi sequer equacionada a hipótese de a mina do Romano ser exclusivamente a céu aberto”.

O responsável explicou que os técnicos da equipa de projeto responsável pela elaboração do EIA analisaram as várias hipóteses de exploração da mina.

“Feita a análise dos prós e contras do momento/cota de passagem de mina a céu aberto para a entrada em túnel, foi possível encontrar uma solução equilibrada que conduza a um desenvolvimento sustentável da atividade. Assim, a cota de entrada em túnel será aproximadamente a cota das aldeias mais próximas da área de concessão”, salientou.

Referiu ainda que, no decurso da exploração a céu aberto, vai ser utilizada “uma técnica de mineração à superfície, sem recurso à utilização de explosivos, que minimizará os impactes com o ruído e as poeiras”.

A dimensão da cratera resultante da exploração a céu aberto é um dos argumentos da oposição à mina por parte das populações das aldeias de Morgade, Rebordelo e Carvalhais.

Os populares, que se estão a mobilizar e a juntar à volta da Associação Montalegre Com Vida, alegam que não querem na freguesia uma mina a céu aberto com “800 metros de diâmetro e com 350 metros, e que vai trabalhar 24 sobre 24 horas”.

A Lusorecursos, que assinou o contrato de exploração com o Estado em março, já anunciou um plano de negócios para Montalegre, onde prevê investir cerca de 500 milhões de euros, criar à volta de 500 postos de trabalho e implementar uma unidade industrial.

A procura mundial pelo lítio, usado na produção de baterias para automóveis e placas utilizadas no fabrico de eletrodomésticos, está a aumentar e Portugal é reconhecido como um dos países com reservas suficientes para uma exploração comercial economicamente viável.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
EUA China

China retalia na ‘guerra’ com os EUA com tarifas em 75 mil milhões de bens

Emmanuel Macron, presidente francês. Fotografia: Direitos Reservados

Fogos na Amazónia: França e Irlanda ameaçam bloquear acordo com Mercosul

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, intervém durante uma conferência de imprensa para fazer o ponto de situação sobre a crise energética, no Ministério do Ambiente e da Transição Energética, em Lisboa, 13 de agosto de 2019. JOÃO RELVAS / LUSA

Ministro do Ambiente: “Há cada vez mais condições” para que greve não aconteça

Outros conteúdos GMG
Mina de lítio da Lusorecursos em Montalegre vai ser a céu aberto e em túnel