Fake News

Ministra da Cultura defende empenho dos media no combate à desinformação

Graça Fonseca, Ministra da Cultura
(Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens)
Graça Fonseca, Ministra da Cultura (Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens)

Graça Fonseca falou num jantar/debate, em Algés, organizado pela Confederação Portuguesa dos Meios de Comunicação Social.

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, defendeu hoje “maior proatividade” dos órgãos de comunicação social no combate ao fenómeno da desinformação (‘fake news’), considerando ser necessário um “auto-empenho de todos”.

Graça Fonseca falava na quinta-feira à noite num jantar/debate, em Algés, organizado pela Confederação Portuguesa dos Meios de Comunicação Social, subordinado ao tema ‘Desinformação’.

“Da mesma maneira como a Lusa pode e deve desenvolver projetos próprios que permitam diminuir muito o que é o risco de estar a divulgar notícias que não estão confirmadas como devem ser, qualquer órgão de comunicação social também pode desenvolver projetos semelhantes”, seja, “em parceria com a Lusa”, seja da forma como entenderem, afirmou a governante.

“É preciso que haja também algum auto-empenho da parte da comunicação social nesta tarefa porque no fim do dia conseguir ter bons resultados não é só fundamental para a democracia”, como também para os ‘media’, considerou.

“Como a comunicação social é absolutamente imprescindível para a democracia precisamos mesmo de conseguir combater este fenómeno” e sem os ‘media’ “nenhuma entidade pública conseguirá alguma vez fazê-lo”, salientou.

“É necessário que haja auto-empenho de todos, mais coordenado”, apontou Graça Fonseca, admitindo que “em Portugal o [setor] público e o privado têm pouca tendência para se organizarem”.

Isto porque “vivemos muito em quintas, mas há momentos em que temos de perceber que manter as quintas e fazê-las perdurar vai se virar contra nós todos”, por isso “tem de haver maior proatividade e mais projetos também do lado da comunicação social”, reiterou.

Graça Fonseca destacou o projeto da Lusa no combate à desinformação.

“Desafiámos a Lusa precisamente para se colocar na linha da frente, de construir um projeto de ‘fact checking’ [verificação de factos]. É um projeto que foi submetido a financiamento comunitário, será desenvolvido pela Lusa também com o nosso apoio, segue muito a lógica do que está a acontecer em agências noticiosas de outros países da União Europeia”, em parceria com o Centro Nacional de Cibersegurança e com o Instituto Superior Técnico, disse.

“Se as agências noticiosas tiverem um sistema que lhes permita diminuir muito aquilo que é o risco de divulgação de notícias falsas, logo aí estaremos a controlar bastante um risco de disseminação” de desinformação, uma vez que estas são fonte primária de notícias para os órgãos de comunicação social e ‘sites’.

Assim, “estaremos a contribuir para que menos informação não verificada” fique disponível aos órgãos de comunicação social, apontou.

A questão da literacia mediática foi outro dos pontos destacados pela ministra, que adiantou que este tema está ser trabalhado nas escolas.

“Temos que perceber que não só o mundo já mudou muito como vai mudar muito mais depressa do que hoje, a desinformação sempre existiu”, mas a diferença é que há 500 anos as ‘fake news’ demoravam muito tempo a chegar ao conhecimento de todos.

Atualmente, prosseguiu, “é mais rápido”.

A celeridade da mudança leva que se esteja sempre a “trabalhar com soluções que já estão atrasadas e isto é algo que vai ser sempre assim”, pelo que é preciso “trabalhar já nos mais novos”, através da literacia mediática, pois são eles que no futuro vão consumir conteúdos informativos, salientou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa Fotografia: Rodrigo Cabrita / Global Imagens

Medidas do Banco de Portugal para travar riscos no imobiliário são “adequadas”

Lisboa Fotografia: Rodrigo Cabrita / Global Imagens

Medidas do Banco de Portugal para travar riscos no imobiliário são “adequadas”

António Mexia, CEO da EDP. (Fotografia: Sara Matos / Global Imagens)

EDP assina compromisso para limitar aquecimento global a 1,5°C

Outros conteúdos GMG
Ministra da Cultura defende empenho dos media no combate à desinformação