incêndios

Incêndios. Ministro da Agricultura alerta para risco elevado

Luís Manuel Capoulas Santos, Ministro da Agricultura.
(Orlando Almeida / Global Imagens)
Luís Manuel Capoulas Santos, Ministro da Agricultura. (Orlando Almeida / Global Imagens)

Governo declarou a situação de alerta em Portugal entre as 00:01 de sexta-feira e as 23:59 de sábado, devido ao "agravamento do risco de incêndio"

O ministro da Agricultura fez hoje, em Alcanena, um apelo “veemente” a quem trabalha nos campos para que não utilize máquinas agrícolas nem faça queimadas nos próximos dias, porque o risco de incêndio “é muito grande”.

Luís Capoulas Santos, que participou, com o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, na apresentação de um balanço preliminar do programa conjunto de vigilância preventiva Faunos, na Serra de Santo António, freguesia de Minde, concelho de Alcanena, no distrito de Santarém, afirmou que, a partir de sexta-feira, com o elevar do aviso de alerta, devido ao “grau de secura muito elevado” e ao risco “muito grande” de incêndio, “é absolutamente proibido operar máquinas agrícolas” e fazer queimas ou queimadas.

“Apelo com veemência aos pastores, aos criadores de gado, aos agricultores, a todos aqueles que trabalham no campo com máquinas, com outros equipamentos, que, em dias como este e os que se aproximam, a que cumpram a lei”, disse.

O Governo decidiu hoje declarar a situação de alerta em Portugal continental entre as 00:01 de sexta-feira e as 23:59 de sábado, devido ao “agravamento do risco de incêndio” decorrente do estado do tempo.

A decisão foi tomada por despacho conjunto dos ministros da Administração Interna e da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, que anunciaram a medida em comunicado.

De acordo com as previsões meteorológicas, é esperado até sábado um aumento da intensidade do vento, acompanhado pela continuação de tempo quente e seco.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A Poveira, conserveira. Fotografia: Rui Oliveira / Global Imagens

Procura de bens essenciais dispara e fábricas reforçam produção ao limite

Fotografia: Regis Duvignau/Reuters

Quase 32 mil empresas recorrem ao lay-off. 552 mil trabalhadores em casa

coronavírus em Portugal (covid-19) corona vírus

266 mortos e 10 524 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Incêndios. Ministro da Agricultura alerta para risco elevado