Ministro da Economia reafirma que Governo tem vontade de reduzir impostos

António Pires de Lima, Ministro da Economia
António Pires de Lima, Ministro da Economia

O ministro da Economia, António Pires de Lima, admitiu hoje que a carga fiscal em Portugal atingiu níveis "excessivos" e sublinhou a "declaração de vontade" do Governo de iniciar em 2015 um processo de redução de impostos.

“O que desejaria é que pudéssemos iniciar um processo de redução da carga fiscal, que atinge particularmente os que vivem do seu trabalho, já a partir de 2015”, referiu.

No entanto, enfatizou que, neste momento, o Governo só pode fazer uma “declaração de vontade”, lembrando que é preciso aguardar pelas “clarificações que estão em cima da mesa”.

Falando em Braga, na cerimónia de tomada de posse dos novos órgãos sociais da Associação Industrial do Minho, o governante manifestou-se contra qualquer aumento de impostos, sublinhando que essa é “a última coisa que a economia pede”.

Leia também: Ajustamento interrompido: país volta a ter défice externo

“Qualquer aumento de impostos para além do que já temos é verdadeiramente indesejável para a nossa economia (…). A carga fiscal já atinge níveis que são excessivos e que só podem ser compreendidos como esforços transitórios e temporários”, acrescentou.

Pires de Lima disse ainda que, apesar das “incertezas constitucionais”, está confiante na retoma da economia, apontando como fatores de esperança o crescimento do consumo privado, o aumento das exportações e os “sinais” da subida do investimento privado.

Sublinhou a necessidade de um cada vez mais intenso combate às barreiras burocráticas que Portugal ainda coloca à criação de riqueza e que “infernizam a vida” das empresas.

Aludiu mesmo a “administrações públicas que às vezes criam dificuldades para depois aparecerem a vender facilidades”.

“Continua a haver muita burocracia desnecessária, que precisa de ser combatida”, rematou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Felipe VI, rei de Espanha

Sem acordo para governo, Espanha pode ir de novo a eleições em novembro

Felipe VI, rei de Espanha

Sem acordo para governo, Espanha pode ir de novo a eleições em novembro

Pedro Amaral Jorge, presidente da APREN
(João Silva/Global Imagens)

APREN. Renováveis contribuem com 15 mil milhões de euros para o PIB

Outros conteúdos GMG
Ministro da Economia reafirma que Governo tem vontade de reduzir impostos