PPP

Ministro da Saúde não descarta gestão pública no Hospital de Cascais

REUTERS/Ueslei Marcelino
REUTERS/Ueslei Marcelino

O ministro da Saúde não descarta a hipótese do Hospital de Cascais passar para a gestão pública, mas para já vai avançar um concurso internacional.

O ministro da Saúde não descarta a hipótese do Hospital de Cascais passar para a gestão pública, mas para já vai avançar um concurso internacional para os operadores privados fazerem uma proposta de valor melhor do que a atual.

Adalberto Campos Fernandes falava à agência Lusa à margem da cerimónia de boas-vindas aos internos do Centro Hospitalar de Lisboa Norte (CHLN), a propósito da notícia do jornal Público, segundo a qual o Governo vai lançar um novo concurso para gestão do Hospital de Cascais em Parceria Público Privada (PPP).

Segundo o ministro, a Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos (UTAP) do Ministério das Finanças “fez um estudo, bastante detalhado”, o qual “recomenda ao Governo que faça um concurso público para avaliar, em condições diferentes, se o mercado, nomeadamente os operadores privados, tem uma proposta de valor melhor do que aquela que existe”.

“Isso não invalida que, se no final deste processo, se essas propostas não aparecerem ou se a proposta de valor não for identificada como tal, o hospital não possa integrar a rede pública do Serviço Nacional de Saúde (SNS)”, prosseguiu.

Para Adalberto Campos Fernandes, é preciso o Governo “fazer um concurso que seja mais exigente, que seja capaz de eliminar as dificuldades encontradas e potenciar os benefícios identificados”.

“Se no final do concurso público essas propostas fizerem sentido entendemos que o interesse público está a ser defendido. Se não aparecerem, a opção que resta será a integração em condições normais no SNS”, adiantou.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fundadores da Uniplaces na inauguração da nova sede, em 2016. Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Forbes: Fundadores da Uniplaces nos melhores sub-30 da Europa

Fernando Ulrich, presidente do BPI

Aumentos de capital na banca: A “destruição colossal” de 35 mil milhões de euros

Ricardo Salgado à saída do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) em Lisboa onde foi interrogado e constituido arguido no âmbito da Operação Marquês, Lisboa, 18 de janeiro de 2018. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Ricardo Salgado impedido de se ausentar para estrangeiro e de contactar arguidos

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Ministro da Saúde não descarta gestão pública no Hospital de Cascais