Finanças Públicas

Ministro das Finanças italiano elogia Portugal e Centeno no défice

Giovanni Tria, ministro das Finanças de Itália. (Fotografia: Stefano Rellandini/ Reuters)
Giovanni Tria, ministro das Finanças de Itália. (Fotografia: Stefano Rellandini/ Reuters)

“Após o forte resultado orçamental de 2017, decorrerem esforços de consolidação com uma meta de défice de 0,7% em 2018", declarou Giovanni Tria.

Giovanni Tria, o ministro das Finanças de Itália, que hoje está a ser duramente criticado pelas altas instâncias europeias por querer expandir o défice público italiano em 2019, elogiou o seu colega português, Mário Centeno, pelos “fortes” resultados obtidos nas contas públicas.

Há cerca de semana e meia, numa intervenção dos encontros anuais do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Bali, na Indonésia, o governante italiano referiu que “desde as últimas reuniões da primavera, a economia portuguesa continuou a registar um bom desempenho, com taxas de crescimento superiores a 2%, melhores condições no mercado de trabalho, continuação da consolidação orçamental e maior resiliência do sector bancário”.

Falando no Comité Monetário e Financeiro Internacional na qualidade de representante de seis países membros do FMI (Albânia, Grécia, Itália, Malta, Portugal e San Marino), Giovanni Tria fez o tal balanço positivo dos desenvolvimentos das contas públicas portuguesas e também reparou na melhoria das condições económicas.

Relativamente ao trabalho de Centeno, disse que “após o forte resultado orçamental de 2017, estão a decorrer esforços de consolidação orçamental, com uma meta de défice de 0,7%” este ano. O peso da dívida pública, de “124,8% do PIB no final de 2017”, “deve continuar a diminuir”.

Na economia, pegou nos dados das contas nacionais até ao segundo trimestre e destacou o “forte” crescimento do investimento, o crescimento “robusto” das exportações e a melhoria forte do emprego e a descida do desemprego.

Deixou ainda menções positivas à “tendência de redução” do endividamento privado (empresas e famílias, ainda que com um reparo. O stock da dívida dos particulares está a descer, mas “o crédito ao consumo e os novos empréstimos para compra de casa têm vindo a acelerar nos últimos tempos”.

Os bancos que operam em Portugal também “estão mais robustos” e capitalizados, com “maior capacidade de reduzir os créditos não produtivos [malparado e outros]”, apesar de subsistirem problemas de rendibilidade do negócio bancário e pressões da concorrência de outros territórios, elencou o governante italiano.

Itália defende Itália no FMI

Giovanni Tria também falou da situação italiana e reiterou os planos do seu governo, que pretende ir contra as regras de Bruxelas, fazendo subir o défice dos 1,8% previstos em 2018 para 2,4% em 2019.

Na intervenção com data de 13 de outubro, o responsável pelas Finanças da terceira maior economia da zona euro explicou que a ideia é deixar subir o défice para reanimar a economia, que está a crescer muito pouco.

“O governo decidiu subir a meta do défice para 2,4% do PIB em 2019”. Esse défice superior dará margem para nós expandirmos o investimento público e reduzir a o imposto sobre as pequenas empresas e os trabalhadores independentes, bem como para implementar um benefício fiscal sobre as empresas que invistam e façam novas contratações”.

“Além disso, dedicaremos um valor equivalente a 0,9% do PIB a uma nova política de apoio aos rendimentos e a um esquema de reformas antecipadas, aumentando assim as oportunidades de emprego para os jovens”, acrescentou.

Tria explicou que o défice de 2,4% em 2019 é uma meta alcançável e “não será excedida” já que o governo tem uma “combinação de cortes de despesas e aumentos de receita, incluindo novidades na faturação eletrónica” que vão proteger as contas italianas face a eventuais derrapagens na execução orçamental.

O défice de 2,4% no ano que vem ajudará, supostamente, a que a economia acelere de 1,2% este ano para 1,5% no próximo, com o desemprego a cair de 11,2% para 10,6% da população ativa, indica o plano orçamental da discórdia, entretanto enviado para Bruxelas. A dívida pública desce devagar, de 130,9% em 2018 para 130% em 2019, mantendo-se assim como a segunda maior da Europa (a seguir à da Grécia).

Mais guerra, mais juros

Atualmente, como referido, Itália está em guerra aberta com a Comissão Europeia, que acabou de mandar para trás o plano de projeto orçamental dos italianos.

O governo de Roma, pela voz do seu ministro do Interior e líder da extrema-direita (Liga), Matteo Salvini, já veio dizer que Bruxelas pode mandar as cartas e fazer os avisos que bem quiser, que a proposta de Orçamento fica como está.

Como seria de esperar, os mercados de dívida pública (retalho, secundários) estão a penalizar Itália. No final do dia de quarta-feira (24 de outubro), as taxas de juro das obrigações do tesouro italiano de longo prazo (10 anos) subiram para 3,62%, bem acima dos juros cobrados a Portugal, que aliviaram ligeiramente para 1,97%.

As duas maiores economias do euro, Alemanha e França, enfrentam taxas de juro de 0,39% e 0,77%, respetivamente, no mesmo mercado a dez anos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, durante a sua audição na Comissão de Saúde, na Assembleia da República, em Lisboa, 27 de fevereiro de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

ADSE já enviou novas tabelas de preços aos privados para negociação

Mario Draghi, Presidente do Banco Central Europeu. REUTERS/Kai Pfaffenbach

BCE discutiu pacote de medidas para estimular economia na reunião de julho

Hotéis de Lisboa esgotaram

“Grandes” eventos impulsionaram aumento dos preços na hotelaria em junho

Outros conteúdos GMG
Ministro das Finanças italiano elogia Portugal e Centeno no défice