Comércio internacional

Mobiliário e colchoaria com exportações recorde em 2019

Exportações recuperam no primeiro trimestre

Sector vendeu ao exterior 1,9 mil milhões de euros, um crescimento homólogo de 3,7%

A indústria do mobiliário e colchoaria encerrou o ano de 2019 com um aumento de 3,7% nas vendas ao exterior para 1,9 mil milhões de euros, o valor mais elevado de sempre. Uma performance assente no “crescimento sustentado” dos seus dois principais mercados, o francês e espanhol que, em conjunto valem mais de mil milhões, mas resultado, também, da “ascensão de novos destinos importadores”, como a Alemanha, que cresceu 38%, os EUA, com mais 28% e a Bélgica, com um incremento de 29%.

A inovação tecnológica, o design e a customização dos produtos são, para o presidente da Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins (APIMA), as chaves do crescimento. Em comunicado, Joaquim Carneiro destaca que foi o “sucesso da estratégia de internacionalização, ancorada nos projetos conjuntos da APIMA e da AICEP, que permitiu a diversificação dos mercados e o crescimento em países particularmente desafiantes, como a Suíça e a Bélgica”.

Em termos de produtos, os assentos foram o principal artigo exportado, ultrapassando os 902 milhões de euros e assegurando 49% do total. Já o mobiliário de casa, com 763 milhões, é responsável por 41%. O maior acréscimo, em termos percentuais, vai para os colchões, que cresceram 10% para 156 milhões de euros.

Com importações de 987 milhões, a balança comercial do sector mantém um saldo positivo de 853 milhões de euros. A taxa de cobertura das importações pelas exportações foi, no ano de 2019, de 184%.

Para 2020, a APIMA aponta para uma “consolidação da tendência de crescimento”, a par da “afirmação internacional nos mercados tradicionais e em novos destinos”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro ministro, António Costa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

António Costa admite despedimentos na TAP com menos rotas e aviões

Mobiliário e colchoaria com exportações recorde em 2019