economia mundial

Moody’s avalia impacto de queda acentuada dos preços do petróleo

Fotografia: Lee Jae-Won/Reuters
Fotografia: Lee Jae-Won/Reuters

Angola e Rússia em risco de revisão em baixa da notação financeira

A agência Moody’s colocou em revisão a notação financeira e perspetivas de 18 exportadores de petróleo, incluindo Angola e Rússia, admitindo um corte do ‘rating’ devido à queda dos preços do petróleo.

Para 12 (dos 18) Estados soberanos, a agência de notação financeira iniciou revisões para uma possível baixa que reflita o “impacto total do choque petrolífero de uma forma sistemática e consistente”, esclarece a agência, em comunicado.

Os 12 Estados em análise, e os respetivos ‘ratings’, são: Abu Dhabi (Aa2), Angola (Ba3), Gabão (Ba3), Cazaquistão (Baa2), Kuwait (Aa2), Nigéria (Ba3), Papua Nova Guiné (B1), Qatar (Aa2), Rússia (Ba1), Arábia Saudita (Aa3), Trindade e Tobago (Baa2) e os Emirados Árabes Unidos (Aa2).

Em outros quatro casos – Azerbaijão (de Baa3 para Ba1), Bahrein (de Baa3 para Ba1), República do Congo (Ba3 para B1), Omã (de A1 para A3) -, a Moody’s baixou os “ratings” e colocou-os em revisão para uma baixa adicional que refleta o impacto mínimo que acredita que a queda dos preços vai ter nos perfis de crédito desses Estados soberanos, e espera concluir todos estes comentários no prazo de dois meses.

A agência de notação financeira também confirmou o ‘rating’ estável Aaa da Noruega e mudou a perspetiva de ‘rating’ de estável para negativa na classificação Caa3 da Venezuela.

A Moody’s publicou, também, um relatório mais aprofundado sobre os seus pontos de vista e considerações analíticas que impulsionaram as decisões de ‘rating’, no qual explica que a queda contínua dos preços do petróleo tem implicações profundas no crescimento económico, uma vez que o petróleo e gás são usados para impulsionar o crescimento económico e financiar os Estados.

“Dada a importância em termos económicos e fiscais, a agência de rating acredita que os perfis de risco de crédito destes Estados soberanos exportadores de petróleo estão, portanto, sob pressão crescente”, lê-se na nota da agência.

Em janeiro, a Moody’s apresentou as suas últimas previsões sobre as cotações do petróleo, anunciando uma nova revisão em baixa para 33 euros por barril em 2016 e 38 euros por barril em 2017, aumentando gradualmente para os 48 dólares por barril em 2019.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dos blueprints  dos primeiros automóveis, ao topo dos carros elétricos atuais, de elon Musk, em homenagem, a Nikolas Tesla.
Ilustração: VITOR HIGGS

Automóvel. Em 20 anos do euro mudou tudo, menos a carga fiscal e o líder

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços.
(Jorge Amaral/Global Imagens)

Vieira Lopes: “Metas do governo são realistas mas é preciso investimento”

A EDP, liderada por António Mexia, vai pagar o maior cheque de dividendos da bolsa nacional.

PSI20. Menos lucros mas o mesmo prémio aos acionistas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Moody’s avalia impacto de queda acentuada dos preços do petróleo