Rating

Moody’s contraria previsões do Governo: Défice de 3%

Moody's
Moody's

Agência de rating alerta que a economia portuguesa "continua a crescer de forma muito mais moderada que outros países da periferia"

A Moody’s não está tão otimista quanto o Governo de António Costa quanto ao crescimento da economia e antecipa um de 3% este ano, acima das previsões do Executivo que apontam para os 2,2%.

Numa nota emitida esta manhã, a agência de rating – que atribui uma notação de Ba1 e um outlook estável para Portugal – começa por salientar que a “economia de Portugal continua a crescer de forma muito mais moderada que outros países da periferia”, dando o exemplo de Espanha.

Por isso, “o crescimento económico não vai dar grande apoio à consolidação orçamental planeada e à redução do elevado rácio de dívida pública”. A somar a isto, “o crescimento moderado mantém-se apesar da implementação de reformas estruturais nos últimos anos, que não estão a mostrar resultados na forma de uma economia mais resiliente e mais forte”.

Desta forma, a Moody’s tem dúvidas que o país consiga alcançar as metas de consolidação orçamental estimadas para este ano e antecipa um défice de 3% este ano, acima da previsão de 2,2% do Governo.

Apesar de salientar que o rácio de dívida pública permanece estável, a agência alerta que está entre os mais elevados entre os países que acompanha, com a dívida pública atualmente em 129% do PIB. A Moody’s prevê uma “queda gradual deste rácio nos próximos anos, mas esta correção será vulnerável a derrapagens orçamentais ou a um fraco crescimento económico.

Contudo, a agência de notação vê a dívida pública acima dos 120% do PIB no final desta década.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
The World Economic Forum, Davos
Fabrice COFFRINI/AFP

Líderes rumam a Davos para debater a nova desordem mundial

Mário Centeno

Privados pedem ao Estado 1,4 mil milhões de euros em indemnizações

Luis Cabral, economista.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Luís Cabral: “Pobreza já não é só ganhar 2 dólares/dia”

Moody’s contraria previsões do Governo: Défice de 3%