Rating

Moody’s mantém rating de Portugal em lixo

Fotografia: REUTERS/Mike Segar
Fotografia: REUTERS/Mike Segar

Moody's optou por não se pronunciar sobre Portugal. É a única agência a avaliar a dívida nacional em grau especulativo. DBRS subiu o rating.

Contrariamente à expectativa dos investidores, a Moody’s não fez qualquer alteração na classificação de Portugal. O rating continua a um nível de sair de lixo com perspetiva positiva, o que sinaliza que a notação poderá regressar a grau de investimento nos próximos meses. A próxima data em que a agência o poderá fazer passa para 12 de outubro.

A agência americana não fez qualquer comentário sobre a evolução da qualidade de crédito de Portugal. Em setembro do ano passado a Moody’s tinha subido a perspetiva para positiva, o que sinalizava que poderia melhorar a notação num prazo de 12 a 18 meses.

Mas os mercados apostavam que isso iria acontecer já na avaliação deste mês de abril devido à evolução da economia e das contas públicas portuguesas e também às melhorias nas avaliações feitas por outras entidades. Alguns responsáveis da agência reforçaram mesmo, nos últimos meses, essa possibilidade.

A Moody’s afirma-se como a agência mais pessimista para Portugal. A Standard & Poor’s tirou o rating de lixo em setembro do ano passado. A Fitch melhorou a classificação logo em dois níveis em dezembro. E esta sexta-feira, a DBRS também subiu a nota da dívida portuguesa para dois níveis acima da categoria vista como “lixo” pelos mercados.

O mercado apostava que Portugal conseguisse o pleno de ratings com grau de investimento. E a decisão da Moody’s de deixar tudo na mesma pode levar a algum impacto nas taxas portuguesas.

Ainda assim, a equipa de research do BiG notava ao Dinheiro Vivo, antes da informação do que a agência iria fazer que “o maior impacto através das decisões da notação já foi realizado com a segunda notação de Investment Grade por parte da Fitch em Dezembro de 2017, a qual permitiu a reentrada da dívida Portuguesa nos principais índices internacionais de obrigações públicas”.

Atualizada às 22:05

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Moody’s mantém rating de Portugal em lixo