Imobiliário

Moody’s. Portugal vai liderar subida nos preços das casas

Fotografia: REUTERS/Mike Segar
Fotografia: REUTERS/Mike Segar

A agência de notação financeira estima subidas de entre 7% a 8% até 2020 no valor das casas.

Portugal é um dos países em que os preços das casas mais têm aumentado nos últimos anos. E deverá manter esse estatuto nos próximos anos, segundo as estimativas da Moody’s. A agência de notação financeira prevê que o valor do imobiliário residencial suba entre 7% e 8% até 2020.

Para os mercados europeus, a Moody’s prevê uma subida modesta nos próximo dois anos. Mas, num relatório divulgado esta semana, a agência realça que “Portugal, Holanda e Irlanda deverão ser os que mais irão beneficiar com a valorização dos preços das casas nos próximos dois anos”. O mercado português é mesmo o que apresenta a previsão de uma taxa de crescimento mais elevada.

Em resposta a questões do Dinheiro Vivo, a agência especificou os motivos que deverão continuar a alimentar o mercado imobiliário em Portugal. “Existem algumas áreas em que o desfasamento entre a procura e a oferta está a levar a uma forte apreciação do preço do imobiliário residencial e comercial”.

A Moody’s nota que “os preços das casas têm estado a aumentar desde meados de 2013 e aceleraram em 2017 para níveis antes de 2008”. Segundo os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE), o preço a que as casas são vendidas em Portugal aumentou mais de 16% desde o início de 2016. Em Lisboa e no Porto o ritmo foi bem superior com subidas de 47% e 34% respetivamente.

A Moody’s destaca que o índice de preços do INE tem tido subidas anuais acima de 10%. E nota que “há aumentos ainda maiores noutros índices de propriedades imobiliárias”. Além da falta de oferta em algumas zonas, a agência de notação financeira aponta que “o regime fiscal especial para não residentes está a impulsionar a procura externa por propriedades residenciais em Portugal.”

Apesar da confiança da Moody’s na evolução dos preços das casas, têm surgido, por parte de outras entidades, alertas de que o valor do imobiliário pode ter ido longe demais. No último Relatório de Estabilidade Financeira, o Banco de Portugal alertava que “após um período de redução dos preços no segmento residencial, começaram a surgir alguns sinais de sobrevalorização destes preços em termos agregados na segunda metade de 2017”.

O supervisor ressalvava, no entanto, que e as indicações de sobrevalorização no mercado imobiliário residencial em termos agregados eram muito limitadas. Mas avisava que “a duração e a rapidez do crescimento dos preços podem implicar riscos para a estabilidade financeira em caso de persistência ou reforço desta dinâmica”.

Entre os motivos apontados pelo Banco de Portugal para a subida dos preços estava também o interesse de investidores estrangeiros e também a procura de imobiliário para tirar partido do crescimento do turismo. O banco central explicava também que a era dos juros muito baixos estava a ter influência nos preços. Mas defende que a “normalização da política monetária na área do euro”, que inclui a retirada dos estímulos à economia e a subida gradual dos juros nos próximos anos, acabará por ajudar a estabilizar os preços das casas.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Felipe VI, rei de Espanha

Sem acordo para governo, Espanha pode ir de novo a eleições em novembro

Felipe VI, rei de Espanha

Sem acordo para governo, Espanha pode ir de novo a eleições em novembro

Pedro Amaral Jorge, presidente da APREN
(João Silva/Global Imagens)

APREN. Renováveis contribuem com 15 mil milhões de euros para o PIB

Outros conteúdos GMG
Moody’s. Portugal vai liderar subida nos preços das casas