porto

Porto: Rui Moreira ‘guarda’ estacionamento para residentes em zonas de pressão

Fotografia: D.R.
Fotografia: D.R.

Câmara do Porto anuncia novo leque de medidas para organizar o estacionamento na cidade. Moradores também vão pagar menos.

O estacionamento no Porto está a mudar. A câmara de Rui Moreira anunciou um pacote de alterações para aumentar a flexibilidade dos moradores. Está previsto o aumento das isenções para deficientes, a criação de novas tarifas na Asprela e zona industrial e redução das avenças para o segundo veículo. De 100 euros, a tarifa passa a 25 euros.

Entre as medidas que fazem parte da “nova política de mobilidade na cidade” está também a criação de uma bolsa de estacionamento exclusiva para moradores em zonas residenciais consideradas de alta pressão. Isto é, determinadas áreas da cidade com muito fluxo de pessoas ou veículos, passarão a ter lugares apenas para quem reside naquele local.

Mas não é só. O executivo camarário sugere ainda a redução do horário em duas horas diárias (entre as 9 horas e as 19 horas), para que haja “maior flexibilidade para moradores e para movimentos pendulares de início e fim de dia”, bem como a implementação, apenas no centro da cidade, de um horário específico de pagamento aos sábados.

Ao mesmo tempo que avança com estas novas regras, Rui Moreira pretende eliminar de forma “progressiva e sistemática” o número de lugares de estacionamento privativos, “libertando espaço para o estacionamento de moradores”. Neste sentido, prevê a introdução de três novas zonas tarifadas ajustadas em função da procura (de 0,40 a 1,20 euros em lugar de 0,5 a 1,0 euro).

“Com as presentes alterações, estudadas para benefício da política de mobilidade da cidade e da qualidade de vida dos seus moradores, a Câmara do Porto pretende alterar o Código Regulamentar, mantendo o equilíbrio económico e financeiro da concessão”, refere a autarquia no seu site, Porto.pt.

Além do alargamento da rede de estacionamento, haverá redução dos preços das avenças para os comerciantes e moradores e a construção de novos parques. A Câmara vai ainda assumir a gestão de parques até aqui concessionados.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Empresas com quebras de 25% vão poder pedir apoio à retoma

Balcão da ADSE na Praça de Londres em Lisboa.

( Jorge Amaral/Global Imagens )

ADSE quer 56 milhões do Orçamento do Estado por gastos com isentos

Fotografia: Miguel Pereira / Global Imagens

Quase 42 mil empresas recorreram a apoios que substituíram lay-off simplificado

Porto: Rui Moreira ‘guarda’ estacionamento para residentes em zonas de pressão