airbnb

Mortes no Halloween: Airbnb fiscaliza 7 milhões de anúncios e proíbe festas

REUTERS/Gabrielle Lurie/File Photo
REUTERS/Gabrielle Lurie/File Photo

Casa alugada para festa secreta acabou em tiroteio com cinco mortes. Airbnb vai inspecionar casas e clientes.

Nem festas nem anúncios falsos nem casas, hóspedes ou proprietários que não correspondam ao que prometem. O Airbnb anunciou hoje que vai passar a pente fino os 7 milhões de anúncios disponíveis na plataforma e agir à altura de irregularidades que possa encontrar.

A decisão é justificada como “parte do compromisso da empresa de manter os seus padrões de qualidade e de segurança”, especificando-se que os controlos vão avaliar a “precisão dos anúncios (fotografias, endereços e detalhes do anúncio), bem como a limpeza, a segurança e a presença dos básicos da casa”. E porque a “confiança é a base do negócio” da plataforma, sublinha um dos fundadores, o Airbnb compromete-se mesmo a “realojar ou reembolsar os clientes que não considerem o aluguer satisfatório”.


Este leque de novas medidas pretende aumentar a confiança dos consumidores na plataforma, mas servirá também para melhor controlar e evitar enganos, clientes insatisfeitos e reclamações. Bem como acontecimentos dramáticos como o tiroteio que teve lugar neste Halloween, na California, num alojamento onde os arrendatários decidiram fazer uma festa – que acabou com cinco mortos.

“Em 2008, diziam que nunca seríamos bem-sucedidos porque os estranhos não confiam uns nos outros, mas provámo-los errados. Foi a confiança que nos permitiu criar uma plataforma onde milhões de pessoas se encontram e respondem às necessidades umas das outras, envolvendo 191 países e mais de 600 milhões de pessoas”, relata Brian Chesky, na comunicação patilhada no Twitter e enviada aos seus trabalhadores. “Infelizmente, acontecimentos recentes mostraram que há utilizadores da nossa plataforma a aproveitar-se dessa confiança – incluindo o que aconteceu em Orinda, California -, mas tudo faremos para que este tipo de incidente nunca mais aconteça.”

“Uma auditoria aos 7 milhões de alojamentos é para começar já e deverá ficar concluída em dezembro de 2020”, sublinha o cofundador da plataforma, confirmando que cada alojamento e cada proprietário será verificado a 100%. Nessa fiscalização inclui-se uma atenção redobrada a falsos alugueres ou outras situações em que clientes e proprietários se sintam enganados, numa altura em que dispararam as queixas na polícia sobre festas em apartamentos – já proibidas pelo Airbnb como motivo de aluguer.

 

A plataforma pede a ajuda de todos neste esforço de melhoramento, anunciando uma linha telefónica direta 24/7 para vizinhos em todo o mundo poderem ser atendidos por “uma equipa especializada de resposta rápida”. O número de telefone estará visível no site e na aplicação, sendo também encontrado facilmente através de uma pesquisa no Google.

Prevê-se ainda uma generosa garantia para os hóspedes: “A partir de 15 de dezembro, os que reservarem um alojamento que não corresponda aos padrões da Airbnb vão receber alojamentos alternativos de valor igual ou superior, ou um reembolso de 100% do valor”, assegura a empresa.

Pode confirmar este tópico no Twitter do CEO da Airbnb, Brian Chesky, bem como uma carta dirigida hoje aos funcionários, onde estão detalhadas estas medidas. Através deste link, pode visualizar o vídeo de Brian Chesky, onde anuncia estas novidades na NYT Dealbook Conference.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

João Cadete de Matos, presidente da Anacom

Fotografia: Vítor Gordo/D.R.

Anacom “considera essencial” redução de preços no acesso à Internet

Outros conteúdos GMG
Mortes no Halloween: Airbnb fiscaliza 7 milhões de anúncios e proíbe festas