Europa

Moscovici: Barroso devia ter refletido sobre convite do Goldman Sachs

Pierre Moscovici  Foto: REUTERS/Yves Herman
Pierre Moscovici Foto: REUTERS/Yves Herman

O ex-primeiro-ministro português Durão Barroso devia ter feito uma reflexão "política, ética e pessoal" quando foi contratado pelo Goldman Sachs

O ex-primeiro-ministro português Durão Barroso devia ter feito uma reflexão “política, ética e pessoal” quando foi contratado pelo Goldman Sachs, disse hoje o comissário europeu dos Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici.

Em entrevista à estação de rádio francesa Europe 1, Moscovici admitiu que apesar de “não estar proibido”, o ex-presidente da Comissão Europeia Durão Barroso deveria ter feito uma “reflexão política, ética e pessoal” sobre os efeitos da contratação pelo banco Goldman Sachs.

Quando um político passa para o setor privado deve “pensar na imagem que projeta”, acrescentou Pierre Moscovici, sublinhando que quando terminar o mandato que ocupa atualmente como comissário para os Assuntos Económicos e Financeiros da União Europeia não vai para a Goldman Sachs.

O banco de investimento, com sede nos Estados Unidos, anunciou no passado dia 08 de julho que Durão Barroso vai trabalhar na subsidiária Goldman Sachs International (GSI), em Londres.

Durão Barroso, 60 anos, ex-primeiro-ministro de Portugal foi presidente da Comissão Europeia entre 2004 e 2014.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Emmanuel Macron, Pedro Sanchez, Angela Merkel, Donald Tusk, Jair Bolsonaro e Mauricio no G20 de Osaka, Japão, 29 de junho de 2019. Fotografia: REUTERS/Jorge Silva

Vírus da guerra comercial já contamina acordo entre Europa e Mercosul

Fotografia: Armando Babani/ EPA.

Sindicato do pessoal de voo lamenta “não atuação do Governo” na Ryanair

O presidente da China, Xi Jinping, fez uma visita de Estado a Portugal no final de 2018. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Angola e China arrastam exportações portuguesas. Alemanha e Itália ainda não

Outros conteúdos GMG
Moscovici: Barroso devia ter refletido sobre convite do Goldman Sachs