MATÉRIAS PERIGOSAS

Nova negociação entre patrões e motoristas parte das condições acordadas em maio

Um camião sai da sede da Companhia Logística de Combustíveis (CLC), em Aveiras de Cima, 16 de agosto de 2019.Portugal está, desde sábado e até às 23:59 de 21 de agosto, em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação, o que permitiu a constituição de uma Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA), com 54 postos prioritários e 320 de acesso público.  TIAGO PETINGA/LUSA
Um camião sai da sede da Companhia Logística de Combustíveis (CLC), em Aveiras de Cima, 16 de agosto de 2019.Portugal está, desde sábado e até às 23:59 de 21 de agosto, em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação, o que permitiu a constituição de uma Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA), com 54 postos prioritários e 320 de acesso público. TIAGO PETINGA/LUSA

Antram e sindicato dos motoristas de matérias perigosas voltam a sentar-se à mesma mesa no final da próxima semana.

O acordo de princípio entre patrões e os motoristas de matérias perigosas, que permitiu a desconvocação da greve às horas extraordinárias, fins de semana e feriados, define como base para a nova negociação o protocolo que a Antram e o SNMMP assinaram no dia 17 de maio de 2019, apurou o DN/Dinheiro Vivo. A primeira reunião será no final da próxima semana.

O protocolo incluiu um subsídio de operações – que na prática é um subsídio de risco face ao manuseamento de matérias perigosas – que entra em vigor no próximo ano, bem como um salário base de 700 euros em 2020.

“As partes pretendem iniciar um novo processo negocial tendente à revisão e atualização do referido Contrato Coletivo de Trabalho, decidindo revogar a declaração conjunta de 9 de maio, pelo que é celebrado o presente acordo de princípio que as partes se comprometem a cumprir e respeitar nos termos gerais do princípio da boa fé e nos termos do protocolo assinado a 17 de maio de 2019”, estabelece o acordo.

O documento, que colocou um ponto final na greve, indica ainda que “o processo negocial poderá envolver outros aspectos que constem da proposta negocial que venha a ser apresentada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas, desde que as mesmas não entrem em contradição com o referido protocolo de 17 de maio” deste ano.

Foi ao cair do pano que a greve dos motoristas de matérias perigosas ao trabalho extraordinário, fins de semana e feriados, que deveria arrancar este sábado e prolongar-se até dia 22 de setembro, foi desconvocada. Durante a madrugada de sábado, o SNMMP e a Antram asseguraram que tinha sido alcançado um “acordo de princípio” que permitiu este desfecho.

O advogado da Antram, João Salvador, disse que o acordo firmado entre as partes cria uma base negocial que é “rigorosamente a mesma que já foi determinada e assinada com a Fectrans e o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM)”.

O primeiro-ministro saudou ao final do dia de ontem o acordo, classificando-o como “mais uma vitória do diálogo social”. Após o fim da reunião que permitiu o fim da greve, Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas, disse aos jornalistas, citado pela Lusa, que “o tempo da greve terminou e começou o tempo do diálogo”. E que “o país está cansado destas greves, não temos dúvidas de que os motoristas também, as empresas também. Foram quatro pré-avisos de greve em pouco mais de quatro meses”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Nova negociação entre patrões e motoristas parte das condições acordadas em maio