Literacia digital

Movimento pró-digitalização celebra um ano e vai ter programa na RTP

7_Roadshow MUDA-03 (1)

Em 2018, o MUDA vai apostar na emissão diária de uma rubrica na RTP, “Muda Num Minuto”, onde vai apresentar dicas de utilização da Internet.

Quando o MUDA – Movimento pela Utilização Digital Ativa – foi apresentado em maio do ano passado, cerca de 26% dos portugueses nunca tinha utilizado internet. Esta terça-feira, no mesmo dia em que celebra o primeiro aniversário, a percentagem está abaixo dos 20% pela primeira vez em Portugal, revela o estudo feito em parceria com a GFK sobre dados deste mês.

Esta terça-feira, o MUDA fez o balanço do ano que passou e explicou os objetivos para este ano: continuar a reduzir o número de portugueses que nunca acederam à Internet, apostar na proximidade e aumentar o número de utilizadores com competências avançadas.

Tem ainda outra ambição: “comunicar para as pessoas que são digitais, mas que são pouco, os intermédios digitais”, revela Alexandre Nilo Fonseca, diretor-executivo do MUDA.

“É preciso comunicar aos portugueses a necessidade da digitalização”

O MUDA apostou em 2017 num Plano de Ação “Digital ByDefault” (‘digital por defeito’), que para Alexandre Nilo da Fonseca seria a solução para Portugal. Aliado a este conceito, acredita, seria necessário criar uma “legislação 4.0”, mais adequada aos dias de hoje. Critica a pouca comunicação do Estado e acredita que “deve existir o mesmo sistema de autenticação para o Estado e para as empresas”. Em tom de provocação, acrescenta que “se todos os serviços utilizassem, por defeito, o digital, as pessoas deitavam o papel todo para o lixo”.

Em Portugal, 28% dos utilizadores tem competências sofisticadas. “É preciso comunicar aos portugueses a necessidade da digitalização” e ter “consumidores informados”, o que se pode conseguir com a proximidade e com o tempo, reforça Alexandre.

A tenda do MUDA (‘RoadShow’) percorreu durante cinco meses o centro do país e passou por mais de 11 cidades. Durante 30 fins de semana “foi possível explicar o que é ser digital”, refere Alexandre Nilo Fonseca, que destaca a importância de “estar próximo das pessoas”.

‘Rede de Voluntários MUDA’ e programa na RTP são apostas para 2018

“Em Portugal não temos problema de oferta, mas sim problema de adesão por parte dos consumidores”, refere o diretor-executivo. Em 2018, o ‘Roadshow’ do MUDA vai passar para os centros comerciais e o objetivo é conseguir uma abordagem “mais capilar” e que chegue a mais pessoas.

A ‘Rede de Voluntários MUDA’ também vai ser uma aposta para este ano. O programa de voluntariado vai ser inserido nas escolas a partir do próximo ano letivo. O MUDA conta hoje com 700 voluntários que dedicam o seu tempo a acompanhar e ensinar os recém-chegados ao mundo digital, fora ou dentro do seio familiar.

64% dos portugueses usam frequentemente a internet e 42,6% usam-na “sistematicamente”, revela o mesmo barómetro da GFK. “É preciso ajudar também os que são digitais e educar os utilizadores”, reforça Alexandre Nilo Fonseca. “Ter esse papel educativo é um dos maiores desafios”.

Uma das grandes novidades para 2018 é a aposta na emissão diária de uma rubrica na RTP – “Muda Num Minuto” – onde durante um minuto o MUDA vai apresentar dicas de utilização da internet. O objetivo é “não falar no digital pelo digital, mas adaptá-lo às tarefas do dia-a-dia”, explica o diretor-executivo.

A GFK revela ainda que 73% dos portugueses tem smartphone e 37% utiliza a internet para fazer compras, sendo que a maior parte dos portugueses sabe para que servem as funcionalidades, mas só metade as utiliza verdadeiramente. Segundo Alexandre Nilo Fonseca, “falta estímulo à utilização da internet”.

Em 2017, o MUDA chegou a mais de 1 milhão de portugueses e quer continuar. O Movimento conta com 30 parceiros de setores como a saúde, retalho, empresas tecnológicas ou de telecomunicação, e conta ainda com o apoio do Estado. É possível encontrá-lo em mais de 5.000 pontos, entre balcões, lojas e até Espaços do Cidadão.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

LUÍS FORRA/LUSA

Dia 7. Patrões e motoristas divididos por 50 euros

Motoristas em greve junto à saída da sede da Companhia Logística de Combustíveis (CLC), em Aveiras de Cima, durante a greve por tempo indeterminado dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias, Azambuja, 16 de agosto de 2019. Portugal está, desde sábado e até às 23:59 de 21 de agosto, em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação, o que permitiu a constituição de uma Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA), com 54 postos prioritários e 320 de acesso público. TIAGO PETINGA/LUSA

Greve dos motoristas: atenções voltadas para plenário de trabalhadores

Outros conteúdos GMG
Movimento pró-digitalização celebra um ano e vai ter programa na RTP