Trabalho

Mulheres do Norte estão a acelerar nível de emprego nacional

Fotografia: Ivo Pereira/Global Imagens
Fotografia: Ivo Pereira/Global Imagens

Aumento da população ativa feminina foi de 27 mil no ano passado. Só a região Norte contribuiu com 25 mil empregos

O ritmo de crescimento do emprego no Norte é superior à média nacional e o preenchimento de postos de trabalho na região por mulheres entre os 45 e os 64 anos merece especial destaque. Os números são relativos a 2017 e estão contidos no Norte Estrutura, publicação da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte que é hoje divulgada.

Mais de 92% do incremento no número de mulheres ativas a nível nacional encontra explicação, precisamente, a Norte. O aumento da oferta de trabalhadores na região deve-se “unicamente à mão de obra feminina”, a qual aumentou 2,8%, o que corresponde a mais 25 mil mulheres ativas. “Isto significa que a região Norte explica a maior parte do crescimento da população ativa feminina observado a nível nacional”, cujo valor total foi de 27 mil.

Pelo contrário, a população ativa masculina diminuiu 0,5%, sendo o Norte a única região do país a sofrer esta redução, o que “acentuou a feminização” da mão de obra.

Taxas de crescimento
Mais 60 mil pessoas conseguiram, em 2017, arranjar emprego a Norte, fazendo subir para 1,654 milhões o valor médio anual da população empregada na região. Em termos percentuais, o crescimento foi de 3,8% – superou em meio ponto percentual o resultado nacional – e foi o mais acentuado de que há registo.

O documento destaca que a oferta de mão de obra na região “cresceu pela primeira vez desde 2010”, ano anterior à chegada da troika. No entanto, em termos acumulados, a verdade é que o Norte criou 110 mil empregos líquidos entre 2013 e 2017, menos de metade dos 236 mil perdidos entre 2008 e 2013.

O aumento da oferta de mão de obra permitiu inverter a tendência decrescente dos últimos seis anos. A população ativa passou, assim, a ser de 1,833 milhões de pessoas, mais 1,1% do que no ano anterior. A nível nacional, este crescimento ficou-se pelos 0,8%.

Menos desemprego
De qualquer forma, a população desempregada diminuiu em 2017, pelo quarto ano consecutivo, passando de 319 mil desempregados, em 2013, para aproximadamente 179 mil. Uma redução de 44%. No ano passado, a taxa de desemprego na região foi de 9,8%, mesmo assim, 1,2 pontos percentuais mais elevada do que a de 2008.

Cinco em cada oito desempregados a Norte eram, em 2017, de longa duração. O desemprego jovem desceu para 25,9%, mas com uma “evolução marcadamente diferenciada por género”: desceu no caso dos homens, pelo terceiro ano consecutivo, e passou de 26,4% para 21,9%, mas aumentou nas mulheres, passando de 29,5% para 30,9%.

Fosso salarial diminuiu
Em termos de rendimentos, o salário médio a Norte é inferior em 7% ao nacional, apesar deste referencial se ter reduzido (era de 8,8% em 2015). O que significa que, em 2017, os trabalhadores auferiram 796 euros mensais, 60 euros a menos que a média nacional. De qualquer forma, e corrigido do valor da inflação, o salário médio a Norte cresceu 1,8% em 2017 contra os 0,6% a nível nacional.

“Uma análise por grupos de profissões mostra que a disparidade entre os trabalhadores por conta de outrem com maior e menor salário médio se manteve aproximadamente constante na região Norte desde 2014, com os chamados dirigentes a auferirem entre o triplo e 3,2 vezes o rendimento médio dos trabalhadores não qualificados”, pode ler-se no documento. Em 2012 a diferença era o quádruplo.

Os dirigentes são os que mais ganham, com um rendimento médio mensal líquido de 1585 euros, os técnicos e profissionais de nível intermédio auferem 919 euros e os trabalhadores da indústria, construção e artífices 667 euros. Os que menos ganham são os trabalhadores agrícolas, da pesca e floresta e os operários não qualificados, com salários médios de 507 e de 502 euros, respetivamente.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Estado ‘devolve’ em deduções 60% do Adicional ao IMI que cobra

Amoreira Óbidos

Espanha desapareceu do mapa e França descobriu o velho oeste português

António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

EDP quer exportar tecnologia do maior parque eólico flutuante do mundo

Outros conteúdos GMG
Mulheres do Norte estão a acelerar nível de emprego nacional