Salários

Mulheres ganham menos 16,57% do que os homens

Fotografia: Rui Vieira/Global Imagens
Fotografia: Rui Vieira/Global Imagens

Os homens ganham mais do que as mulheres. O setor do calçado já deu o exemplo ao eliminar essas diferenças por via do contrato coletivo.

As mulheres ganham em média 824,99 euros mensais, menos 16,57% do que os homens, que auferem um salário de 990,05 euros, segundo as estatísticas do Ministério do Trabalho relativas a 2015. As desigualdades são uma realidade bem visível em quase todos os setores da economia, nomeadamente nas indústrias têxtil, vestuário e do couro (calçado incluído), onde o fosso supera os 20%, pese embora a estatística contenha valores superiores, em desfavor das mulheres, nas atividades artísticas e de desporto (-55,49%) ou na saúde e apoio social (-27,31%). As diferenças em mais de 20 setores de atividade são visíveis no seguinte quadro interativo extraído de dados do Ministério do Trabalho relativos a 2015.



O panorama poderá mudar a prazo. O pontapé de saída foi dado pela Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos (APICCAPS), que assinou, em abril, com a Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal (FESETE), o primeiro contrato coletivo de trabalho que põe fim à discriminação salarial entre homens e mulheres. O aumento médio da massa salarial acordado foi de 3,45%, mas as mulheres vão receber uma atualização maior (entre os 4,5 e os 5,3%) para garantir que a funções iguais correspondem remunerações idênticas.

Vieira da Silva, ministro do Trabalho, já garantiu publicamente que a iniciativa no calçado não será uma árvore na floresta, devendo o Governo levar propostas concretas aos parceiros até ao final do mês de maio. Fonte oficial da secretária de Estado da Igualdade, que também está a participar na elaboração das propostas, confirmou essa intenção governamental.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa. JOÃO RELVAS/POOL/LUSA

Governo cria complemento salarial até 350 euros para trabalhadores em lay-off

O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa, 04 junho 2020, realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Banco de Fomento para Portugal com “aprovação provisória”

O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda,  em Lisboa, 29 de maio de 2020. O Governo decidiu adiar a passagem para a terceira fase de desconfinamento na Área Metropolitana de Lisboa e criou regras especiais, sobretudo em atividades que envolvem “grande aglomerações de pessoas”.  MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Trabalhadores em lay-off passam a receber entre 77% e 92% do salário

Mulheres ganham menos 16,57% do que os homens