Estações do Metro de Lisboa encerradas devido a greve parcial dos trabalhadores

As estações do Metropolitano de Lisboa estão hoje encerradas, no segundo dia de greve parcial dos trabalhadores, que às 06:30 tinha uma adesão elevada, segundo Anabela Carvalheira, da FECTRANS.

Dinheiro Vivo/Lusa
Utentes aguardam o metro na Estação de Metro do Senhor Roubado em Odivelas, no dia em que a área Metropolitana de Lisboa (AML) vê reforçada a oferta de transportes públicos, sobretudo de autocarros, permitindo que a capacidade fique a 90% da que existia no mesmo período do ano passado, em Odivelas, 01 de julho de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA © LUSA

"À semelhança de terça-feira, primeiro dia de greve parcial dos trabalhadores, a adesão é elevada. As estações estão todas encerradas", disse à Lusa a sindicalista.

Anabela Carvalheira adiantou também que ainda "não houve qualquer 'feedback' por parte da empresa relativamente às exigências dos trabalhadores".

Os trabalhadores do Metro de Lisboa cumprem hoje uma nova greve parcial, entre as 05:00 e as 09:30, dado que as negociações salariais com a empresa têm falhado, prevendo-se que o serviço seja retomado às 10:15.

Em causa está o congelamento salarial, o preenchimento imediato do quadro operacional e as progressões na carreira.

Tal como na terça-feira, a greve ocorre entre as 05:00 e as 09:30 para a generalidade dos trabalhadores e das 09:30 às 12:30 para o setor administrativo e técnico.

Os trabalhadores do Metro de Lisboa vão cumprir mais um dia de greve parcial em 02 de novembro e uma greve de 24 horas em 04 de novembro.

O pré-aviso de greve foi entregue em 6 de outubro "devido à falta de respostas às questões colocadas, quer em reuniões com o ministro do Ambiente, quer com o presidente do Metropolitano de Lisboa", segundo a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS).

"A greve não é só contra o congelamento salarial, vamos mais longe. Defendemos uma total reposição de efetivos, que está por cumprir", disse na segunda-feira, em declarações à agência Lusa, Anabela Carvalheira.

A sindicalista sublinhou a importância do "preenchimento imediato do quadro operacional e as progressões na carreira".

Segundo a empresa, a adesão global à greve parcial de terça-feira no Metropolitano de Lisboa foi de 42,62%.

"O Metropolitano de Lisboa encontra-se recetivo à discussão das propostas apresentadas pelas entidades sindicais, sendo as mesmas objeto de negociação", acrescentou a empresa na mesma nota, divulgada na altura.

Os trabalhadores do Metro já tinha feito greves parciais ao serviço em maio e junho com as mesmas reivindicações.

O Metropolitano de Lisboa opera com quatro linhas: Amarela (Rato-Odivelas), Verde (Telheiras-Cais do Sodré), Azul (Reboleira-Santa Apolónia) e Vermelha (Aeroporto-São Sebastião). O serviço funciona das 06:30 às 01:00 todos os dias.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG