Governo propõe aumentos salariais anuais de 4,8% até 2026

O objetivo é garantir que haja um aumento médio acumulado de 20% dos salários dos trabalhadores face a 2022, segundo a proposta para um acordo de médio prazo de melhoria dos rendimentos, salários e competitividade, que esta quarta-feira será apresentado na Concertação Social.

Dinheiro Vivo/Lusa
Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social © ANDRÉ KOSTERS/LUSA

O Governo vai propor esta quarta-feira aos parceiros sociais uma valorização nominal das remunerações em 4,8% em média, em cada ano, entre 2023 e 2026, segundo a proposta sobre o Acordo de Competitividade e Rendimentos a que a Lusa teve acesso.

O objetivo é garantir que até 2026 haja um aumento médio acumulado de 20% dos salários dos trabalhadores face a 2022, segundo a proposta para um acordo de médio prazo de melhoria dos rendimentos, salários e competitividade, que esta quarta-feira será apresentado na Concertação Social.

Como pressupostos para este objetivo, o Governo tem em conta uma inflação de médio prazo de 2%, de acordo com o Banco Central Europeu, e uma taxa de produtividade de 1,5% entre 2023 e 2026, segundo o documento.

De acordo com o executivo, com o objetivo de "aumentar a parte do fator trabalho no produto, convergindo com a média europeia, é necessário acordar uma política de valorização dos rendimentos" assente na inflação, produtividade e num "adicional salarial".

"Tendo em conta estes pressupostos, para se alcançar o objetivo proposto, estima-se ser necessário um adicional salarial de 1,3 pontos percentuais, traduzindo-se numa valorização nominal das remunerações por trabalhador de 4,8% em cada ano, em média, nos anos 2023 a 2026", pode ler-se no documento.

O Governo sublinha que "este adicional representará um aumento de aproximadamente 20% do rendimento médio por trabalhador em 2026 face a 2022".

Mais Notícias

Veja Também

Outros Conteúdos GMG