Produtores de leite entregam fardo de palha à porta de Pingo Doce

A ação de protesto visou chamar a atenção para "os preços baixos" do leite que as indústrias pagam aos produtores e para o aumento dos fatores de produção.

Produtores de leite entregaram esta sexta-feira de manhã um fardo de palha à porta do supermercado Pingo Doce, em Barcelos, em protesto contra os preços baixos do leite. A iniciativa visou também desafiar a insígnia do grupo Jerónimo Martins a parar com a desvalorização do leite e a pagar um preço justo aos agricultores.

Os produtores estão "a suportar desde o ano passado aumentos entre 20 a 30% no preço da ração e mais recentemente nos restantes fatores de produção como a eletricidade, os combustíveis e os adubos", mas só em outubro conseguiram "um pequeno aumento de 1,5 cêntimos por litro de leite das principais indústrias", diz a Associação dos Produtores de Leite de Portugal (APROLEP) em comunicado.

A associação diz que o aumento é "insuficiente" e que necessitam "de mais 5 cêntimos de aumento com urgência, com o objetivo de atingir 40 cêntimos por litro de leite pago ao agricultor".

Segundo avança em comunicado a APROLEP, os agricultores que fornecem o Pingo Doce tiveram um aumento de apenas "1 cêntimo, apesar de o grupo Jerónimo Martins ter uma fábrica onde transforma o leite e embala as suas marcas próprias, o que lhe permite controlar todo o percurso "do prado à prateleira do supermercado"".

"É um preço injusto que não permite pagar os atuais custos de produção", sublinha a associação na nota enviada às redações.

Esta ação "simbólica" visa "desafiar o Pingo Doce a dar o exemplo, parar com as promoções que desvalorizam o leite e ser o primeiro a pagar um preço justo aos agricultores".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de