Consumo

No campeonato da 2ª circular, sabe qual é a gasolineira vencedora?

2ª Circular.
( António Pedro Santos / Global Imagens )
2ª Circular. ( António Pedro Santos / Global Imagens )

O primeiro lugar vai para a Repsol, que ganha pela localização junto ao Aeroporto. O período de maior tráfego regista-se entre as 07h00 e as 11h00.

Na capital, uma das estradas com mais tráfego é a conhecida 2ª Circular. Por isso mesmo, as três estações de serviço – uma da Galp e duas da Repsol – dão resposta à necessidade de abastecimento de gasolina e gasóleo ao longo dos 10 quilómetros que compõem o troço que atravessa Lisboa. A vencedora é a Repsol, que lidera na bomba da Luz-Fonte Nova, com o tráfego a atingir os 92% durante o período entre as 07h00 e as 11h00.

A PSE – Produtos e Serviços de Estatística analisou o tráfego dos últimos dois meses nas gasolineiras Galp dos Ralis, a Repsol do Radar do Aeroporto e a Repsol da Luz-Fonte Nova. O período de maior tráfego é o período da manhã, que para a Galp chega aos 81%, mas é ultrapassado pela Repsol do Fonte Nova. A Galp só contraria tendências no período da tarde, entre as 16h00 e as 20h00, período em que vê o tráfego a aumentar 21%.

Já a Repsol do Radar do Aeroporto tem apenas 52% no mesmo horário e o tráfego é mais disperso, em oposição às estações que se encontram no início e fim da segunda circular (Fonte Nova e Ralis).

Segundo a PSE, contudo, podemos olhar para estes dados e considerar que as três bombas asseguram todo o tráfego da 2ª Circular, de forma equitativa.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

No campeonato da 2ª circular, sabe qual é a gasolineira vencedora?