millennials

No que investem as novas gerações das famílias Rockefeller, Ford e Hyatt

Herdeiros das maiores fortunas dos EUA juntaram-se para criar um novo movimento de investimento com impacto.
Foto: FT/Pascal Perich
Herdeiros das maiores fortunas dos EUA juntaram-se para criar um novo movimento de investimento com impacto. Foto: FT/Pascal Perich

É o chamado "dinheiro antigo" das famílias mais ricas dos Estados Unidos da América e está a ser aplicado de uma forma inovadora.

Os membros das dinastias histórias dos Estados Unidos da América juntaram-se para pôr as suas fortunas ao serviço da humanidade. Não acredita? Bem, saiba em que está a ser aplicado o “dinheiro antigo” dos Rockefeller, dos Ford e dos Hyatt, entre outros.

Justin Rockefeller é tataraneto do magnata do petróleo do século XIX que já era conhecido pela sua filantropia. John D. Rockefeller iniciou a tradição familiar de apoio e/ou criação de quase uma centena de instituições dedicadas a apoiar o próximo e, agora, o tataraneto Justin decidiu encabeçar um movimento que junta as famílias mais ricas dos EUA e as incentiva a dar, mas de uma forma nova: investimento com impacto.

“The Impact” inspirou-se no movimento “Giving Pledge”, de Warren Buffet e Bill Gates, e reuniu, há dias, os membros das referidas famílias para discutirem como podem fazer o bem.

Justin Rockefeller Foto: FT/ Pascal Perich

Justin Rockefeller
Foto: FT/ Pascal Perich

“Faço parte desta família fabulosa, que tem uma história rica em capitalismo e também filantropia”, explicou Justin Rockefeller, de 37 anos. “Quero continuar o legado da família e a melhor maneira é manter-me na interseção entre filantropia e capitalismo. O investimento com impacto dá continuidade a essas tradições de família, mas de uma forma nova”, adiantou.

Esse investimento com impacto significa que o investimento deverá ter um retorno social ou ambiental, bem como financeiro. Pode incluir desde micro-empréstimos a mulheres de negócios africanas a capital de risco para startups de energias limpas ou os mais tradicionais investimentos em obrigações ou ações de empresas cujos produtos fazem bem. Há quem diga que é o resultado da filosofia dos millennials no movimento.

“Os nossos avós queixam-se que não conseguem que os netos se sentem a aprender a ler resultados financeiros”, diz Justin Rockefeller. “Eu respondo que quero investir em empresas que acho que estão a tornar o mundo um lugar melhor e queixo-me que não consigo que os meus avós abandonem a perspetiva tradicional de investimento. O investimento com impacto é uma ponte para o diálogo entre gerações”, resume.

O investimento com impacto de Justin Rockefeller é numa empresa chamada Modern Meadow, que se dedica à criação de materiais naturais, incluindo pele biológica verdadeira criada em laboratório através de um processo completamente livre do uso de animais.

Liesel Pritzker Simmons e Ian Simmons. Foto: FT/Pascal Perich

Liesel Pritzker Simmons e Ian Simmons.
Foto: FT/Pascal Perich

Liesel Pritzker Simmons e o marido, Ian Simmons, herdeiros da fortuna dos hotéis Hyatt, estão convencidos que é possível dedicar 100% da carteira de investimentos ao investimento com impacto. Quando obteve acesso à fortuna da família, num processo judicial altamente mediático, há 12 anos, Liesel colocou o dinheiro numa empresa da família chamada Bluen Haven Initiative que está a ser usada para disseminar o investimento com impacto.

“Pensámos rigorosamente e prestámos muita atenção à rentabilidade ajustada ao risco neste tipo de investimento porque isto não é o nosso dinheiro de brincar.. é tudo”, disse Lielsel Pritzker Simmons.

Liesel e Ian estão a investir na M-Kopa, uma empresa que está a fornecer geradores a energia solar acessíveis a mais de 400 mil lares no Quénia, na Tanzânia e no Uganda.

Jason Ingle. Foto: FT/Pascal Perich

Jason Ingle.
Foto: FT/Pascal Perich

Jason Ingle é tataraneto e herdeiro do famoso Henry Ford, o empreendedor das fábricas de automóveis de Detroit. Criado numa quinta no campo, Jason diz que os “pais eram hippies e 90% de tudo o que comiam era criado na quinta”. Portanto, o ato de rebeldia do jovem herdeiro foi dedicar-se às finanças. Só quando passou a ter a sua própria família se voltou para o caminho de fazer bem com o dinheiro que possui e tornou a pensar na forma como a comida é produzida.

Fundou a Closed Loop Capital, um fundo que investe na inovação alimentar e na tecnologia aplicada à agricultura, com o objetivo de obter retorno financeiro. E não está sozinho. Bill Ford, o patriarca atual da família, detém um fundo próprio denominado Fontinalis, que se dedica ao futuro da mobilidade urbana.

“Só a filantropia não vai ser capaz de resolver os desafios macro significativos que enfrentamos, tais como alimentar 10 mil milhões de pessoas em 2050, a escassez de recursos ou a desigualdade”, diz Ingle. O jovem herdeiro de Ford está, por isso, a investir com impacto na empresa Beyond Meat, que se dedica a alternativas vegan à carne, incluindo o “hamburguer que sangra”, que parece, cozinha e sabe a carne de vaca.

Kevin e Elizabeth Phillips. Foto: FT/Pascal Perich

Kevin e Elizabeth Phillips.
Foto: FT/Pascal Perich

Kevin Phillips tinha 24 anos quando tomou as rédeas do grupo imobiliário da família (Phillips Management Group), localizado na antiga cidade têxtil de Greensboro, na Carolina do Norte. A mulher, Elizabeth, ficou responsável pela fundação da família na condição de 5% dos lucros anuais serem destinados a resolver os problemas sociais de Greensboro.

“Nem sabia que existia a expressão investimento com impacto. Só tinha o instinto de que podíamos fazer mais com os outros 95%, além do bem que fazemos com 5%. E se os 95% fossem investidos numa empresa que erradicasse os sem-abrigo”, questiona Elizabeth.

O casal está a investir na Akola, uma empresa que vende joalharia de luxo produzida por mulheres do Uganda e de Dallas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, conversa com o primeiro-ministro indigitado, António Costa, durante uma audiência para apresentação da lista de nomes propostos para secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, no Palácio de Belém, em Lisboa, 21 de outubro de 2019. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Primeira reunião do novo governo marcada para sábado a seguir à tomada de posse

Outros conteúdos GMG
No que investem as novas gerações das famílias Rockefeller, Ford e Hyatt