Imobiliário

Norte e Centro com 65,5% das novas habitações

Fotografia: Reuters
Fotografia: Reuters

Há 55 mil casas para construir em Portugal, mas os mediadores imobiliários garantem que não servem as necessidades do mercado e admitem que o mercado possa cair em 2019

Foram licenciados em Portugal, o ano passado, mais de 22 mil novos edifícios, a maioria dos quais para habitação familiar. O Norte lidera com 43,3% dos fogos licenciados em construções novas, seguido do centro. No conjunto, as duas regiões asseguram 65,5% dos novos licenciamentos para habitação. A Área Metropolitana de Lisboa representa 19,6% dos fogos que irão ser construídos. No total, garante a AICCOPN, a associação da construção, há 55 mil casas em construção ou em vias de arrancar, um número que não convence os mediadores imobiliários, que falam num desequilíbrio entre a oferta e a procura.

“O que está planeado vai demorar a aparecer no mercado e 80% desses fogos que estão planeados nem sequer respondem às necessidades do mercado. São habitações para mercado alto, quando a grande procura é da classe média e média baixa e dos jovens e para esses não vejo nada planeado”, diz o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP). Estima-se que o sector tenha crescido 20 a 25% em 2018, mas Luís Lima acredita que, em 2019, o mercado imobiliário vai cair. Não por falta de clientes, mas por falta de casas.

“Há um enorme desajuste entre a oferta e a procura. E se isso já era evidente há dois ou três anos, agora é dramático”, refere este responsável. E explica: “No Porto, as pessoas procuram um T1 por 90 ou 95 mil euros ou um T2 até aos 120 mil euros. Onde é que eles estão? Não existem. E o problema é que os portugueses não podem pagar mais por eles. E isso reflete-se, claro, nas rendas que estão altíssimas. Um T1 deveria custar 300 ou 350 euros e não os há, nem sequer nos arredores, por menos de 500 ou 600 euros”.

Qual é a solução? “Ninguém pode obrigar ninguém a construir, tem de ser o Estado a fomentá-lo. E as autarquias, que têm terrenos disponíveis e podiam, por exemplo, pô-los à disposição de promotores para construírem habitação para rendas de 300 euros, porque não? É preciso reeducar-se o mercado para baixar os preços novamente”, defende Luís Lima, que garante “há dois anos” que os responsáveis do sector vêm alertando o Governo para a urgência de medidas. “Lisboa e Porto estão a procurar criar oferta, mas está a demorar demasiado”, considera.

Uma coisa é certa. Não se fale em bolha imobiliária em Portugal porque o problema não é esse, garantem construtores e mediadores. “O que se vive em Portugal é precisamente o inverso de uma bolha imobiliária. Não há excesso, há é falta de casas no mercado e mais de 60% das habitações que se vendem nem sequer é com recurso a crédito”, diz Luís Lima. O presidente da APEMIP defende mesmo que os preços das casas já começam a chegar a um nível tal que “não têm grande margem para continuar a subir”.

Reis Campos, presidente da AICCOPN, concorda. “Não faz sentido nenhum falar em bolha imobiliária. Para isso era preciso que o país todo tivesse crescido desmesuradamente, o que não é verdade. Não podemos comparar o desequilíbrio dos centros históricos de Lisboa e Porto, uma realidade muito localizada, com o resto do país, onde 80% dos concelhos têm ainda os preços do imobiliário abaixo dos valores de 2007”, argumenta.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Créditos ruinosos da Caixa nas mãos do Ministério Público

A330-900 neo

A330 neo. Associação de pilotos quer ouvir especialistas na Holanda

(REUTERS/Rafael Marchante)

2019 a caminho de ser o melhor ano de sempre da Autoeuropa

Outros conteúdos GMG
Norte e Centro com 65,5% das novas habitações