Tecnologia

Novas empresas de TIC quase duplicaram em 10 anos em Portugal

A tecnologia está a revolucionar o nosso dia-a-dia. Fotografia: D.R.
A tecnologia está a revolucionar o nosso dia-a-dia. Fotografia: D.R.

O nascimento de empresas de tecnologias da informação e comunicação disparou em Portugal. Em 2007, havia 776 empresas. Dez anos depois são 1.489

O nascimento de empresas de tecnologias da informação e comunicação (TIC) em Portugal quase que duplicou nos últimos dez anos, passando de 776 em 2007 para 1.489 em 2017, segundo um estudo da Informa D&B.

“Em 2017, foram constituídas cerca de 1.500 empresas, mais 21% do que em 2016, num ano em que o nascimento de empresas na generalidade do tecido empresarial cresceu 10%. Tudo indica que a tendência de crescimento se mantém em 2018 pois, só no primeiro trimestre, já nasceram 508 empresas no setor TIC, mais 24% do que no primeiro trimestre de 2017”, indicou a consultora.

De acordo com o estudo “Empresas de Tecnologias da Informação e Comunicação”, mais de metade das empresas de TIC com atividade comercial em 2016, num universo total de 7.260 empresas, aumentou o seu volume de negócios entre 2013 e 2016, tal como aconteceu no tecido empresarial (56%).

Porém, no período em causa, o crescimento do volume de negócios das empresas do setor (5,6%) superou em 3,2 pontos percentuais o do tecido empresarial (2,4%).

“As empresas TIC têm vindo a afirmar a sua importância na economia nacional, sendo um setor muito jovem e que, por isso, está em constante expansão e transformação. As empresas TIC operam hoje numa lógica altamente concorrencial, uma vez que produzem bens e serviços para um mercado digital globalizado e não apenas no mercado interno, facto patente nos números que expressam a sua vocação exportadora, que se tem vindo a revelar bastante superior à do tecido empresarial”, apontou, em comunicado, a diretora-geral da Informa D&B, Teresa Cardoso de Menezes.

Por subsetor que compõe as TIC, consultoria e programação é o que concentra maior número de empresas (68% do total), seguidos pelos serviços (13%), comércio (11%), telecomunicação (6%) e indústria (2%).

Segundo o estudo da consultora, apesar de representar apenas 6% do número de empresas, “o subsetor das telecomunicações contribuiu com 42% do volume de negócios de todo o setor”.

“A área das Tecnologias da Informação e Comunicação reúne empresas muito jovens, em que mais de metade (53,8%) tem menos de cinco anos de idade. A idade média das empresas do setor TIC é de 7,7 anos, uma média bastante mais baixa do que a média de idade de todas as empresas nacionais (13,3 anos)”, sublinhou a Informa D&B.

O estudo revela ainda que o setor TIC é maioritariamente composto por empresas de consultoria e programação informática “de dimensão reduzida e muito jovem”. Porém, 65% do volume de negócios do setor está concentrado nas grandes empresas.

A área metropolitana de Lisboa concentra 48% das empresas TIC nacionais, quase o triplo das que se situam no Porto.

“Este setor regista mais empresas com controlo de capital estrangeiro (5,8%) do que o restante tecido empresarial (2,1%), uma diferença que se mantém em todos os escalões de dimensão. Entre as grandes empresas TIC, mais de metade (56%) são controladas por capital estrangeiro”, concluiu a consultora.

Para a realização do estudo em causa, a Informa D&B definiu como período de análise dez anos (2007-2017), tendo considerado os dados das empresas com atividade comercial em 2016.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Novas empresas de TIC quase duplicaram em 10 anos em Portugal