Tecnologia

Novas empresas de TIC quase duplicaram em 10 anos em Portugal

A tecnologia está a revolucionar o nosso dia-a-dia. Fotografia: D.R.
A tecnologia está a revolucionar o nosso dia-a-dia. Fotografia: D.R.

O nascimento de empresas de tecnologias da informação e comunicação disparou em Portugal. Em 2007, havia 776 empresas. Dez anos depois são 1.489

O nascimento de empresas de tecnologias da informação e comunicação (TIC) em Portugal quase que duplicou nos últimos dez anos, passando de 776 em 2007 para 1.489 em 2017, segundo um estudo da Informa D&B.

“Em 2017, foram constituídas cerca de 1.500 empresas, mais 21% do que em 2016, num ano em que o nascimento de empresas na generalidade do tecido empresarial cresceu 10%. Tudo indica que a tendência de crescimento se mantém em 2018 pois, só no primeiro trimestre, já nasceram 508 empresas no setor TIC, mais 24% do que no primeiro trimestre de 2017”, indicou a consultora.

De acordo com o estudo “Empresas de Tecnologias da Informação e Comunicação”, mais de metade das empresas de TIC com atividade comercial em 2016, num universo total de 7.260 empresas, aumentou o seu volume de negócios entre 2013 e 2016, tal como aconteceu no tecido empresarial (56%).

Porém, no período em causa, o crescimento do volume de negócios das empresas do setor (5,6%) superou em 3,2 pontos percentuais o do tecido empresarial (2,4%).

“As empresas TIC têm vindo a afirmar a sua importância na economia nacional, sendo um setor muito jovem e que, por isso, está em constante expansão e transformação. As empresas TIC operam hoje numa lógica altamente concorrencial, uma vez que produzem bens e serviços para um mercado digital globalizado e não apenas no mercado interno, facto patente nos números que expressam a sua vocação exportadora, que se tem vindo a revelar bastante superior à do tecido empresarial”, apontou, em comunicado, a diretora-geral da Informa D&B, Teresa Cardoso de Menezes.

Por subsetor que compõe as TIC, consultoria e programação é o que concentra maior número de empresas (68% do total), seguidos pelos serviços (13%), comércio (11%), telecomunicação (6%) e indústria (2%).

Segundo o estudo da consultora, apesar de representar apenas 6% do número de empresas, “o subsetor das telecomunicações contribuiu com 42% do volume de negócios de todo o setor”.

“A área das Tecnologias da Informação e Comunicação reúne empresas muito jovens, em que mais de metade (53,8%) tem menos de cinco anos de idade. A idade média das empresas do setor TIC é de 7,7 anos, uma média bastante mais baixa do que a média de idade de todas as empresas nacionais (13,3 anos)”, sublinhou a Informa D&B.

O estudo revela ainda que o setor TIC é maioritariamente composto por empresas de consultoria e programação informática “de dimensão reduzida e muito jovem”. Porém, 65% do volume de negócios do setor está concentrado nas grandes empresas.

A área metropolitana de Lisboa concentra 48% das empresas TIC nacionais, quase o triplo das que se situam no Porto.

“Este setor regista mais empresas com controlo de capital estrangeiro (5,8%) do que o restante tecido empresarial (2,1%), uma diferença que se mantém em todos os escalões de dimensão. Entre as grandes empresas TIC, mais de metade (56%) são controladas por capital estrangeiro”, concluiu a consultora.

Para a realização do estudo em causa, a Informa D&B definiu como período de análise dez anos (2007-2017), tendo considerado os dados das empresas com atividade comercial em 2016.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

LUÍS FORRA/LUSA

Dia 7. Patrões e motoristas divididos por 50 euros

Motoristas em greve junto à saída da sede da Companhia Logística de Combustíveis (CLC), em Aveiras de Cima, durante a greve por tempo indeterminado dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias, Azambuja, 16 de agosto de 2019. Portugal está, desde sábado e até às 23:59 de 21 de agosto, em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação, o que permitiu a constituição de uma Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA), com 54 postos prioritários e 320 de acesso público. TIAGO PETINGA/LUSA

Greve dos motoristas: atenções voltadas para plenário de trabalhadores

Outros conteúdos GMG
Novas empresas de TIC quase duplicaram em 10 anos em Portugal