Trabalho

Novas gerações dão prioridade a condições de trabalho flexíveis

Jovens a estudar

Estudos apontam que mais de mil milhões dos trabalhadores irão tornar-se "trabalhadores flexíveis" até 2035.

Pensar que ainda existem trabalhos para a vida é uma ilusão nos dias que correm. A evolução digital veio dar origem a novas necessidades empregos. Plataformas como a Uber, Airbnb ou Glovo já estão a dominar o mercado de trabalho. Em Portugal, 15,6% dos profissionais já trabalham para estas plataformas, de acordo com dados da Comissão Europeia.

“Hoje é fácil termos cinco trabalhos ao longo da nossa vida”, diz Ricardo Marvão, responsável da SingularityU Portugal, a primeira instituição no país que ensina líderes a lidar com as novas tecnologias. Tendência que prevê continuar a crescer porque “em primeiro, a tecnologia dá asas a novos tipos de interação e profissões, mas também porque tudo vai andar mais rápido e mais conectado”.

A flexibilidade que advém da digitalização permite aos trabalhadores exercer a sua profissão em qualquer lugar do mundo, a qualquer hora e com quem quiserem. “O trabalhador acaba por valorizar mais a experiência pessoal e acreditar que está a criar valor em relação às carreiras tradicionais”, defende Ricardo Marvão, que adianta que já existem previsões que apontam que mais de mil milhões dos trabalhadores irão tornar-se “trabalhadores flexíveis” até 2035.

Contrariando a ideia preconcebida de que estes trabalhos podem dar origem a uma perda de direitos dos trabalhadores, o responsável defende que “não se trata de uma perda, mas sim a uma adaptação a uma realidade em constante mudança”. Ricardo Marvão acredita ainda que as gerações mais novas dão cada vez mais importância às condições de trabalho flexíveis.

Sobre a noção de carreira que acaba por se perder com estes novos empregos, o responsável da SingularityU é claro: “Há que repensar o nosso sistema educativo e capacitar a sociedade para saber lidar com estas transformações. É essencial que as instituições de ensino se foquem nas soft skills que realmente diferenciam os humanos: curiosidade, imaginação, criatividade, inteligência emocional, pensamento crítico e colaboração são essenciais”.

“Precisamos de parar de produzir ‘tarefeiros’ e desenvolver mais estas soft skills já muito presentes nos novos líderes, inovadores e empreendedores. Precisamos de incentivar a aprendizagem, a resolução de problemas complexos e a importância de arriscar, pois é a única maneira da geração futura continuar relevante no mercado de trabalho”.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Página inicial

Paulo Macedo presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos
(Orlando Almeida / Global Imagens)

Centeno dá bónus de 655 297 euros à administração da CGD

Outros conteúdos GMG
Novas gerações dão prioridade a condições de trabalho flexíveis