OE2017

Novo IMI. Quem deve ao Estado paga na totalidade

Preços das casas voltam a cair

Taxa adicional será de 0,3% e é paga em setembro pelos contribuintes com imóveis acima de 600 mil euros. Haverá ainda outras subidas

O novo imposto de 0,3% sobre o património imobiliário acima dos 600 mil euros criado pelo governo vem com uma outra novidade – a dedução do adicional ao IMI apenas se aplica aos proprietários com a situação fiscal e contributiva regularizada. Se tiverem dívidas de impostos e à Segurança Social terão de pagar sobre a totalidade do valor dos imóveis.

A primeira fatura desta taxa adicional vai ser paga em setembro de 2017, estimando o governo que a medida renda 160 milhões de euros – cerca de quatro vezes mais a receita gerada pelo imposto do selo que nestes últimos anos incidiu sobre os imóveis de valor patrimonial acima de um milhão de euros e que vai ser substituído pelo novo tributo. O valor servirá para reforçar a sustentabilidade da Segurança Social.

A proposta do Orçamento do Estado para 2017 fixou em 0,3% a taxa deste adicional ao imposto sobre os imóveis e determina que se aplica sobre o valor patrimonial que exceda os limites de intenção: 600 mil euros para solteiros e empresas e 1,2 milhões de euros para casais. Mas esta isenção “não se aplica a sujeitos passivos que não tenham a sua situação tributária e contributiva regularizada”.

O que significa? Um sujeito passivo com um imóvel em Lisboa com VPT de 700 mil euros e situação fiscal e contributiva regularizada vai pagar mais 300 euros de adicional de IMI no próximo ano.

No entanto, se este mesmo contribuinte tiver dívidas ao fisco e à Segurança Social, o que pagará de adicional passa a ser 2100 euros. Isto significa que este contribuinte terá de pagar um total de 4200 euros entre IMI e taxa adicional em 2017, o dobro do que pagou em 2016 de IMI em Lisboa, que foi 2100 euros.

Neste contexto, o Programa Extraordinário de Regularização de Dívidas ao Estado (PERES), recentemente aprovado em Conselho de Ministros, ganha uma nova dimensão, pois poderá ser uma oportunidade para escapar à totalidade desta espécie de sobretaxa do IMI. Totalmente de fora deste novo tributo ficam os prédios urbanos classificados como “industrias” e os licenciados para atividade turística “desde que devidamente declarado e comprovado o seu destino”. Fábricas e hotéis ficam, assim, a salvo, mas não está ainda totalmente clarificado que imóveis cabem na tipologia de atividade turística.

O imposto, salientou Mário Centeno, foi desenhado de forma “a proteger o investimento”, incluindo o que vem do exterior – numa alusão às críticas de que o imposto iria “apanhar” os estrangeiros que adquirem imóveis de pelo menos 500 mil euros para obter um visto gold. 

E mesmo os proprietários que agora pagam 1% de imposto do selo podem ficar a ganhar com o novo modelo: a taxa é mais baixa (0,3% contra 1%) e nasce uma isenção que até aqui não existia. Como?

Um proprietário com um imóvel com VPT de um milhão de euros, com o imóvel em Lisboa, paga no próximo ano 4200 euros (3000 de IMI e 1200 de adicional), o que representa uma redução de 8800 euros face ao que pagou em 2016, 13 mil euros, dos quais 10 mil diziam respeito ao imposto de Selo de 1% que era cobrado sobre o valor do imóvel acima de um milhão de euros.

Se este proprietário tiver dívidas à Segurança Social e à Autoridade Tributária, a poupança não é tão significativa, mas ainda assim o próximo ano acaba por ser mais favorável ao proprietário, que paga menos 7000 euros. No próximo ano paga 6000 euros, mesmo com o adicional (que vale 3000 euros), quando em 2016 pagou 13 mil euros.

O ministro das Finanças abriu ontem a conferência de imprensa garantindo que este é o “Orçamento da estabilidade fiscal e que promove a confiança no setor”, na medida em que não mexe “nos principias códigos tributários”. A saber: IRC, IVA e IRS. No caso do imposto sobre o valor acrescentado, e apesar de no ano passado ter sido assinalada a possibilidade de este ano a taxa do serviço de bebidas na restauração – bebidas alcoólicas, refrigerantes, sumos, néctares e águas com gás – poder também recuar para os 13%, esta mudança não consta do OE. A AHRESP, a associação do setor, não deixou, no entanto, de saudar as medidas.

Mas a realidade é que, em matéria de impostos indiretos, o próximo ano trará muitas novidades. Por exemplo, comprar carro vai ser mais caro. As taxas do imposto sobre veículos (ISV) vão subir 3%, enquanto o imposto único de circulação terá um acréscimo de 0,8% (uma variação idêntica tanto no escalão de cilindrada, como no de dióxido de carbono). Com as novas regras, o governo espera ir buscar mais 993 milhões – 692 milhões através do ISV e 301 milhões com o IUC -, um acréscimo de 22 milhões de receita face ao último Orçamento. Ainda nos carros, irá manter-se o adicional sobre o ISP – na prática são mais sete cêntimos por cada dez litros de gasolina e mais 3,5 cêntimos por cada dez litros de gasóleo.

Os impostos indiretos vão render 23 865 milhões em 2017, mais 1,1%. Entre impostos diretos e indiretos, as receitas caem de 25% para 24,9% do PIB. Por outros palavras, a carga fiscal sobre as famílias portuguesas reduz-se em…0,1 pontos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Nacho Doce/Reuters

Obrigações. Lesados da PT Finance vão processar bancos

Mario Draghi

BCE mantém taxas de juro e programa de compra de ativos inalterados

Rosa Cullel, CEO da Media Capital

Dona da TVI com lucros de 1,9 milhões até março

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Novo IMI. Quem deve ao Estado paga na totalidade