supervisão financeira

Novo modelo de supervisão financeira cria 18 cargos de topo

Mário Centeno. MÁRIO CRUZ/LUSA
Mário Centeno. MÁRIO CRUZ/LUSA

Despesa vai aumentar para o Estado ou para os reguladores. A maior parte dos conselhos atuais tem elementos sem salário, pagos por senhas de presença.

O novo modelo de supervisão financeira apresentado pelo Governo cria 18 novos cargos de topo, todos remunerados, o que pode aumentar os custos para o Estado ou para os reguladores, segundo as contas feitas pelo Correio da Manhã.

O projeto de lei entregue pela equipa de Mário Centeno no Parlamento estabelece um novo administrador executivo no Conselho Nacional de Supervisão Financeira (CNSF), organismo que junta os três supervisores e que não tem funções remuneradas, adianta o jornal, este domingo.

São ainda criadas quatro comissões de ética distintas, cada uma com três membros, e quatro cargos na nova comissão de avaliação e remunerações, todos com direito a vencimento.

Há a acrescentar um cargo no novo conselho de administração da Autoridade de Resolução e Administração de Sistemas de Garantia (ARSG), que passa a assumir uma função que até aqui tem estado no Banco de Portugal.

A estes cargos somam-se ainda os das equipas técnicas que terão de ser criadas.

A maioria dos conselhos atuais tem membros sem salário, pagos por senhas de presença pelas reuniões.

Tanto o Banco de Portugal, como a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários e a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões manifestaram reservas quanto ao novo modelo de supervisão proposto. Entre as questões levantadas pelos supervisores financeiros está a dúvida sobre quem vai financiar os novos cargos e as despesas a eles inerentes.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Filipe Amorim / Global Imagens)

Estará a produtividade a ser bem medida em Portugal?

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Estará a produtividade a ser bem medida em Portugal?

Ministério das Finanças

Função pública sai das Finanças ao fim de 17 anos

Outros conteúdos GMG
Novo modelo de supervisão financeira cria 18 cargos de topo