INE

Nunca houve tanta gente a ganhar 3000 euros limpos ou mais

ordenados salários emprego desemprego ine
A profissão de médico é relativamente bem remunerada. Fotografia: D.R.

No 1º trimestre, taxa de desemprego caiu para 7,9%, mínimo de quase dez anos. Criação emprego mantém-se acima dos 3%, informa o INE.

Em Portugal, o número de trabalhadores por conta de outrem que ganham 3000 euros ou mais líquidos por mês disparou 30% no primeiro trimestre deste ano face a igual período de 2017 e atingiu o maior valor das séries do Instituto Nacional de Estatística (INE): este grupo de trabalhadores mais abonados tem agora 37,5 mil pessoas.

Este reforço ajudou a que o salário líquido médio da economia subisse 3,5%, para 876 euros mensais, o maior aumento em sete anos. Os salários mais baixos (menos de 600 euros) estão a perder peso: aqui o número de empregos recuou 11% entre o primeiro trimestre de 2017 e igual período deste ano, mas ainda assim estamos a falar de um milhão de pessoas nesta situação.

De acordo com o primeiro inquérito trimestral ao emprego deste ano, ontem divulgado pelo INE, somam-se os sinais de que as condições do mercado de trabalho estão a melhorar.

A taxa de desemprego total baixou para 7,9% da população ativa, o registo mais baixo em quase dez anos; o desemprego jovem, embora continue entre os maiores da Europa, caiu para 21,9%, também o valor mais baixo da série do INE que remonta ao início de 2011. O número de desempregados que procuram emprego há um ano ou mais (longa duração) recuou mais de 28%.

Além disso, o ritmo de criação de emprego continua acima de 3%. As formas mais precárias de contratação (a prazo e outras tipologias ainda mais precárias) continuam a subir em termos homólogos, é certo, mas começam finalmente a perder peso no emprego total.

O emprego total aumentou 3,2%, ou seja, a economia ganhou quase 149 mil postos de trabalho em termos líquidos em um ano. Portugal tem à volta de 4,8 milhões de pessoas com trabalho.

Nos vínculos, o número de contratos de trabalho sem termo subiu 105,4 mil ou mais 3,5% comparativamente ao início de 2017. A contratação a prazo avançou 7,1% em termos homólogos (mais 48,5 mil casos). Os contratos mais precários (outro tipo) — que englobam modalidades como contratos de prestação de serviço (recibos verdes); trabalhos sazonais sem contrato escrito; trabalhos pontuais ou ocasionais — aumentaram mais de 3%, para 140 mil casos.

No entanto, o peso da precariedade (os que estão a prazo e os outros ainda mais inseguros) parece estar finalmente a recuar. De acordo com cálculos do Dinheiro Vivo com base nos dados oficiais, embora haja mais de 870 mil pessoas oficialmente mais precárias, este grupo vale agora 21,7% do total do trabalho por conta de outrem. Este peso está a cair há dois trimestres consecutivos.

O INE explica ainda que o aumento homólogo da população empregada ficou a dever-se, essencialmente, ao acréscimo do emprego entre as mulheres (mais 80,4 mil ou 3,5%); entre as pessoas dos 45 aos 64 anos (acréscimo de 117,2 mil ou 6,1%); e entre os que completaram o ensino secundário ou pós-secundário (85,5 mil ou 7%).

O sector dos serviços continua a justificar a maioria do emprego criado (106,2 mil ou 3,3%).

Qualificado, a tempo completo

Mas uma das mudanças mais visíveis, além da referida expansão do emprego e da redução mais rápida do desemprego, acontece, de facto, ao nível dos ordenados. Vários fatores ajudam a explicar esta essa evolução e a força renovada dos empregos onde se ganha mais de 3000 euros limpos de impostos e contribuições.

A eliminação gradual da sobretaxa do IRS (medida que deixou para o fim o acerto dos salários mais altos), a subida do salário mínimo, a criação de emprego mais forte em profissões mais qualificadas.

O grupo dos “especialistas das atividades intelectuais e científicas”, que engloba profissões como médicos e professores, expandiu-se a um ritmo significativo de 7% neste primeiro trimestre. O número de “trabalhadores qualificados da indústria e da construção” cresceu mais de 12%.

Em contrapartida, o universo dos trabalhadores não qualificados, que tendem a ser mal pagos, recuou 3%. E o número de agricultores caiu 6%.

Destaque ainda para o maior dinamismo da contratação a tempo completo (cresceu mais de 5% entre os trabalhadores por conta de outrem) em detrimento das modalidades de tempo parcial (aqui o número de postos de trabalho cedeu 7%).

Os dados do INE mostram ainda que depois da classe salarial dos 3000 euros ou mais, o segundo escalão que mais cresceu (aumento de 18,4%) foi o dos 1800 a 2500 euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Costa, primeiro-ministro, e Mário Centeno, ministro das Finanças, num debate parlamentar sobre o OE2019. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Outras touradas do Orçamento: as medidas mais arriscadas

O presidente do Partido Social Democrata, Rui Rio.  JOSÉ COELHO/LUSA

Rui Rio convencido de que Governo vai ter uma derrota no IVA da cultura

bico fogao gas cozinhar

Empresas à espera do governo para venderem gás com tarifa solidária

Outros conteúdos GMG
Nunca houve tanta gente a ganhar 3000 euros limpos ou mais