Turismo

Nunca passou tanta gente pelos aeroportos portugueses

Aeroporto Humberto Delgado, Lisboa.

( Álvaro Isidoro / Global Imagens )
Aeroporto Humberto Delgado, Lisboa. ( Álvaro Isidoro / Global Imagens )

Ainda sem os meses de verão, foram já mais 2 milhões de passageiros mais. Porto foi o que mais cresceu, Lisboa recebe mais de metade do tráfego.

Entre os meses de verão e as férias de Natal, a segunda metade do ano é tradicionalmente mais proveitosa para os negócios do turismo e nos aeroportos é nessa altura que se regista mais movimento. Resultados que as novas rotas e frequências lançadas pela TAP prometem engordar.

Já com os números de julho apurados, Espanha revelou ontem recordes de sempre, com mais de 29 milhões de pessoas a passar pelos seus aeroportos num único mês, julho (+3,4%). Por cá, a realidade é adaptada ao tamanho do país, mas só no mês de junho (dados do Airports Council Internacional citados pelo Negócios) o tráfego no Aeroporto Humberto Delgado cresceu 9,7% face ao mesmo mês do ano passado, o que contrasta com a média dos aeroportos europeus no mesmo período, que se situou nos 4,7%.

Ainda só com os primeiros seis meses contabilizados os sucessivos recordes fazem antecipar que este será, de novo, o melhor ano de sempre. Sem contar com o período que representa a fatia mais significativa de passageiros e apesar das limitações de uma infraestrutura em Lisboa com lotação praticamente esgotada, o conjunto dos aeroportos portugueses estão a crescer a um ritmo superior a 7,2%, quase o dobro da média europeia (4,3%).

Até ao final de junho, movimentaram-se por cá mais 2 milhões de passageiros do que os registados nos primeiros seis meses do ano passado, num total que ultrapassa os 27,5 milhões de pessoas.

Lisboa, que no último ano representou o maior crescimento entre as infraestruturas geridas pela Vinci em Portugal (+9%), acumula ainda mais de metade deste tráfego, com um recorde de perto de 15 milhões de passageiros em seis meses – cerca de metade dos que passaram por Barajas, Madrid, até ao fim de julho. Mas as limitações do aeroporto Humberto Delgado e a demora nas obras de expansão da capacidade deste e da nova infraestrutura planeada para o Montijo têm impedido que cresça com o vigor do Sá Carneiro. No Porto, o tráfego cresceu 10% nestes seis meses, ultrapassando os 6 milhões de pessoas.

“Estes bons resultados refletem, em particular, a abertura de várias ligações aéreas com diferentes capitais mundiais”, justificou a gestora aeroportuária na análise dos resultados do semestre, dando os exemplos do lançamento dos voos TAP para Washington e da primeira ligação direta entre Lisboa e Doha em junho como fatores que ajudaram “o número de passageiros a aumentar 7,8% no segundo trimestre” nos aeroportos da rede Vinci em Portugal – que incluem ainda Faro (perto de 4 milhões de passageiros neste período), Madeira (1,6 milhões) e Açores (1,09 milhões). “O desenvolvimento de novas rotas é essencial para o projeto de criação de valor da Vinci”, resume Nicolas Notebaert, presidente da concessionária.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Costa, primeiro-ministro português, em Bruxelas. EPA/CHRISTIAN HARTMANN / POOL

O que já se sabe que aí vem no Orçamento para 2020

A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os 0,3% que acabaram com a paz entre função pública e governo

Marcelo Rebelo de Sousa, Christine Lagarde e Mário Centeno. Fotografia: MIGUEL FIGUEIREDO LOPES/LUSA

Centeno responde a Marcelo com descida mais rápida da dívida

Outros conteúdos GMG
Nunca passou tanta gente pelos aeroportos portugueses