Soares dos Santos

O dono do Pingo Doce sobre o Estado, a crise e a Europa

ng3091740

As ideias de Alexandre Soares dos Santos, um grande empresário que desaparece aos 84 anos.

Em apenas dois dias, foram publicadas duas entrevistas a Alexandre Soares dos Santos. Diário de Notícias, no domingo, e Jornal de Negócios, esta segunda-feira, em longas conversas, falam com o antigo “homem-forte” da Jerónimo Martins.

A crise, o Estado e a Europa são os principais temas das entrevistas. O Dinheiro Vivo analisou e deixa-lhe os pontos-chave:

A crise

“Não, nós somos vítimas de nós próprios. Este é um problema muito português. A culpa é sempre do parceiro do lado, nunca é nossa. No nosso caso, a culpa é só nossa.”

“O caso do BPN, todo o mundo sabia o que estava a acontecer. (…) O problema é que existe uma promiscuidade entre o Estado, a banca e outras instituições que prejudica todo o mundo”.

“Aquilo que considero o maior erro é o Parlamento não desempenhar as funções que devia, de controlar o Governo. A Assembleia da República é controlada pelo Governo – isto é contra o princípio da democracia”.

“Não entendo como é que é preciso tanto rigor para uma dívida tão baixa, à escala europeia, como é a de Portugal. Porque é que nós temos de reduzir em 3 ou 4 anos e sacrificar tanta gente? Podemos esperar mais tempo.”

Sobre a fome da qual se faz “muita propaganda” em Portugal: “O problema é grave, mas não é tão grave.”

“Não entendo muito disso porque não pagamos salário mínimo nenhum. Nós pagamos muitíssimo bem. Um operário na Lever ganha dois mil euros por mês, fora os prémios! O salário médio do Jerónimo Martins mais baixo é de 780 euros. Depois tem mais uns prémios aqui e ali e acolá.”

“Agora dou sempre o mesmo exemplo: de repente aumentaram as exportações de Portugal, e porque é que foi de repente? (…) Por necessidade, porque deram corda aos sapatos e foram exportar. Até lá estávamos confortáveis!”

O Estado

“Gostamos muito de falar mal do nosso ensino secundário, das nossas universidades – é treta! As nossas universidades são boas e o nosso ensino secundário é bom.”

“Sim. Os professores é que têm de ser avaliados. Não consigo compreender como é que um professor não quer ser avaliado. Nesta companhia [Jerónimo Martins] todo o mundo é avaliado. Até eu, que sou o presidente.”

“A Fundação Francisco Manuel dos Santos fez um estudo (…) e chegou-se à conclusão de que se podia poupar 800 milhões de euros, que é justamente quanto o ministro da Saúde diz que precisa de poupar. Esses 800 milhões de euros estão dentro dos hospitais. (…) É só desperdício.”

Sobre a falta de debate político em Portugal. “Não vamos a lado nenhum com eleições. Porque o nosso problema é dinheiro. Somos tesos e estamos falidos”.

A Europa

“Creio que nunca foi feito um referendo sobre a Europa, com medo que o português tivesse dito ‘não’.”

“Politicamente, estou mais pessimista em relação à Europa do que estou em relação a Portugal.”

“O que é absolutamente necessário é percebermos que a UE só tem condições de sobreviver se marchar em direção ao federalismo.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
EPA/MICHAEL REYNOLDS

Ação climática. Portugal vai ter de gastar mais de um bilião de euros

Quartel da Graça, em Lisboa. (Fotografia: D.R.)

Revive: Sete hoteleiros na corrida para transformar o Quartel da Graça

Thomas Cook era a agência turística mais antiga do mundo. ( EPA/ARMANDO BABANI)

Thomas Cook declarou falência. 600 mil turistas procuram solução

Outros conteúdos GMG
O dono do Pingo Doce sobre o Estado, a crise e a Europa