Vodafone IoT Conference

O futuro é incrível e está na internet das coisas

A primeira grande conferência sobre IoT em Portugal estimulou um debate que pode tornar-se um desígnio nacional.

Os grandes desafios que aí vêm com a massificação da internet das coisas também representam uma oportunidade única de mudar o tecido económico e a estrutura da sociedade. Estamos a viver um momento decisivo com repercussões duradouras num futuro que se quer transparente, colaborativo e mais equilibrado. Que papel terão Portugal e a Europa nesta revolução? Segundo os oradores que participaram a 28 de fevereiro em Lisboa na primeira grande conferência sobre internet das coisas em Portugal, Vodafone IoT Conference, será um papel potencialmente decisivo. Este é momento em que empresas e governos devem começar a falar para solidificar o ecossistema sobre o qual assentará a revolução tecnológica.

“O futuro é exponencial, combinatório, convergente”, declarou Gerd Leonhard, um dos principais oradores da conferência. “Essa é a mentalidade de que precisamos para o futuro.” O visionário elogiou os bons exemplos portugueses que foram descritos nos painéis de discussão. “Seria uma boa ideia Portugal tentar ser um hub de inovação”, afirmou, à margem do evento.
Essa foi uma temática transversal às apresentações e algo em que o CEO da Vodafone Portugal, Mário Vaz, insistiu na sua intervenção de abertura. “Portugal tem capacidade para se destacar neste ecossistema”, afirmou, referindo que a subsidiária portuguesa da operadora está empenhada em ajudar a economia portuguesa a ter sucesso na “sociedade gigabit.”

Em paralelo com o novo léxico global anglo–saxónico que está a emergir, desde machine learning e blockchain a Big Data, Mário Vaz disse esperar que IoT em português possa ser traduzida por “incremento, otimização e transformação.”

Isso mesmo ficou patente nos projetos portugueses que foram levados ao palco do Pátio da Galé. O painel de indústria contou com o diretor-geral da Elis, José Mendes Leal, o CEO da CardioID, André Lourenço, e o cofundador da ThinkDigital, Nuno Ferreira, a quem se juntou o futurista Gerd Leonhard. O debate foi moderado pela diretora do Dinheiro Vivo, Rosália Amorim, e debruçou-se não apenas sobre os contornos técnicos dos projetos em aplicação na indústria em Portugal mas também sobre questões globais como a cibersegurança e o estado do mercado.
Na vertente do retalho, o visionário Rudy de Waele debateu novas dinâmicas com Cristóvão Cleto, CEO da Crossing Answers, Sérgio Magalhães, do Digital Transformation Office do Millennium BCP, e Filipe Lopes, Wireless Tech Lead da Cisco Portugal, numa conversa conduzida pelo subdiretor da TSF Anselmo Crespo. “Quando falamos da IoT falamos de um futuro que é incrível mas de um presente já hoje”, disse Mário Vaz. “É uma prioridade da agenda digital.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Patrick Drahi lidera grupo Altice. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Altice “culpa” demora da decisão dos reguladores para fim do negócio com TVI

Altice Logo 2

Analistas. “É difícil vermos uma nova tentativa de aquisição pela Altice”

Outros conteúdos GMG
O futuro é incrível e está na internet das coisas