Lisbon Mobi Summit

“O maior erro foi a invenção do carro particular”

A carregar player...

Foram muitos elogios à cidade de Lisboa, mas Pascal Smet esteve na Lisbon Mobi Summit para falar da realidade de Bruxelas. Dos 1,6 milhões de pessoas, somando locais e quem entra todos os dias na capital belga, metade anda de carro. Uma realidade que acompanha a mentalidade daquele país, mas que para o Ministro para a Mobilidade do Município de Bruxelas é preciso mudar.

“É preciso alterar o paradigma” afirmou, considerando que chegou o momento de “mudar a cidade para as pessoas”, tendo de deixar de ser tão construída a pensar na utilização do carro individual. Para que melhor se compreenda porque tantas pessoas preferem o automóvel, Pascal Smet explicou como muitas empresas incluem o carro e até o combustível nos contratos e não apenas para as que ocupam os cargos mais importantes. O facto de muitas pessoas viveram em zonas fora da cidade, mais rurais, também convida a escolher este meio de transporte.

“Não podemos confundir o objetivo com os meios”, referiu. “O objetivo é a qualidade de vida”, acrescentou. Smet considera que as pessoas já começam a perceber o problema de Bruxelas e realçou como as gerações mais novas – não apenas na Bélgica – já não querem automóveis particulares, não o vendo como uma forma de arranjar uma namorada ou como sinal de sucesso. “A realidade é que o meu carro, significa o meu engarrafamento”, frisou.

E estamos a assistir a um regresso ao passado. “As cidades europeias estão a mudar. Há o regresso das bicicletas, as pessoas estão a andar, tal como no início do século XX”, referiu, considerando que se irá ver que “o maior erro foi a invenção do carro particular”. Pascal Smet, perante o hábito enraizado de utilização do automóvel, afirmou: “Devíamos fazer as pessoas felizes contra a sua vontade.” Ou seja, criar espaços e condições que até podem suscitar inicialmente críticas nas populações, mas que depois irão ganhar adesão e até brincou: “Dirão que a ideia foi delas!”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

Negociações para revisão do contrato coletivo de trabalho da construção arrancam em setembro

Salário base da construção pode subir até 194 euros

Outros conteúdos GMG
“O maior erro foi a invenção do carro particular”