Opinião

O pântano no horizonte

Mário Centeno, ministro das Finanças. REUTERS/Rafael Marchante
Mário Centeno, ministro das Finanças. REUTERS/Rafael Marchante

A evolução da economia portuguesa nos últimos dois anos é má. É difícil passar esta mensagem

A evolução da economia portuguesa nos últimos dois anos é má. É difícil passar esta mensagem, porque ela é confundida com as críticas à política económica, com os avisos falhados que o diabo vinha aí, ou com a perceção correta que estamos melhor do que no tempo da troika. O ponto é diferente, e mais importante, porque tem a ver com o longo prazo.

O vinténio 2000-2020 vai ser quase de certeza o pior período para o crescimento económico do nosso país dos últimos 150 anos ou mais. A crise mundial de 2008-10 e a crise europeia de 2010-13 agravaram o problema. Em 2018, Portugal finalmente produziu tanta riqueza como produzia em 2008. Se a taxa de crescimento anual do PIB fosse antes uns normais 3%, Portugal seria hoje 35% mais rico. Mesmo que crescêssemos à taxa medíocre de 1,8% que se verificou entre 1999 e 2007, estaríamos hoje a produzir mais 40 mil milhões por ano, e a receita fiscal seria 13 mil milhões maior, o que dá para cobrir as despesas anuais do serviço nacional de saúde (e sobra), como apontava João Silvestre no Expresso.

O sistema político nacional é excecional por ter resistido a vinte anos de fraco crescimento sem novos partidos, extremismo político, ou mesmo mudança de regime. Dez anos de crescimento económico zero implicam que há uma geração de pessoas de 30 a 40 anos, que quando agora finalmente consegue um emprego estável, tem um rendimento miserável igual ao que esperava ter quando acabou a escola. Não há presidência de afetos ou virar da página da austeridade que resistam muito tempo a isto. A onda de greves atual pode ser em parte conjuntural, ou mesmo oportunismo político, mas a fonte da contestação é o facto de, protestando ou calando, os portugueses terem perdido uma década de progressão económica.

Claro que entre 2008 e 2013 era difícil Portugal crescer. Mas nessa altura fizeram-se reformas importantes, flexibilizando o mercado de trabalho o que ajudou a baixar o desemprego, liberalizando as rendas e a habitação o que permitiu o boom do turismo, facilitando a formação de empresas, limpando o sistema financeiro, e removendo muitas barreiras às exportações. Ainda esta semana, Christine Lagarde elogiava estas reformas. A economia acelerou em 2014 criando a esperança que crescêssemos muito nos anos seguintes para recuperar o atraso. Desiludiu 2015, mas poderá ter sido afetado pela incerteza das eleições e de um governo de minoria, e em 2016 pode-se desculpar que a redistribuição de rendimentos tenha sido antes a prioridade. Mas um crescimento medíocre em 2017 e 2018, sem nenhuma recuperação de terreno perdido, é desolador.

Quem quiser, pode culpar as reformas do tempo da troika por afinal não terem tido tanto efeito; outros vão preferir culpar antes o governo socialista por não ter feito quase nenhumas reformas económicas e não se ter focado no crescimento. Mais importante é perceber que se o estado da economia se mantiver na trajetória de 2017-18, o pântano social e político é quase certo.

Professor de Economia na London School of Economics

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Jogo Online é regulado desde 2015

Jogo Online atrai 100 mil novos apostadores a cada trimestre

Jogo Online é regulado desde 2015

Jogo Online atrai 100 mil novos apostadores a cada trimestre

O primeiro-ministro indigitado, António Costa, à chegada para uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, para apresentação da lista de nomes propostos para secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, no Palácio de Belém, em Lisboa, 21 de outubro de 2019. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça os secretários de Estado do novo Governo

Outros conteúdos GMG
O pântano no horizonte