Consumo

O que mais se compra no Natal

No Natal os produtos como bacalhau, bebidas alcoólicas, bolachas, algumas carnes, chocolates, frutos secos e perfumes ganham mais importância.

O Natal é por norma uma época de aumento de consumo, e dados da Nielsen revelam que o bacalhau, as bebidas alcoólicas, bolachas, carne, chocolates, frutos secos e perfumes são os produtos que mais se destacam.

Segundo Marta Teotónio Pereira, Client Consultant Senior da Nielsen, “o Natal é uma época propícia ao consumo, seja para preparação de refeições, que ganham especial destaque nesta quadra, seja para oferta, onde as embalagens especiais e o prestígio ocupam especial destaque”.

Para o Natal de 2017, “iremos continuar a assistir a alterações de consumo nas categorias tipicamente fortes no Natal, nomeadamente no Bacalhau e nas Bebidas Alcoólicas. A dinâmica do mercado deverá manter-se, assim como a forte atividade promocional”, explica.

A Nielsen aponta para a tradição com o elevado consumo de bacalhau na época de Natal. No entanto, salienta, “a procura por conveniência impulsiona o forte crescimento do bacalhau congelado, tal como aconteceu no Natal de 2016 (+42% em volume). A semana do Natal é a mais importante para o bacalhau congelado, representando este segmento 19% das vendas a durante o mês de dezembro. O bacalhau seco continua a representar a grande fatia, com 88% das vendas”.

Já no que diz respeito às bebidas alcoólicas, refere que produtos como Whisky, Vinho do Porto, Licores, Espumantes, Aguardentes e Aperitivos ganham importância no Natal. No entanto, “as categorias que mais cresceram em volume comparativamente com o ano anterior (acima dos 10%) foram Aguardentes, Vodka, Rum e Gin”. Assim, as categorias como Vinho, Vinho do Porto, Whisky e Licores não têm um dinamismo tão acentuado, mas “o maior crescimento em valor versus volume indica-nos uma tendência de maior procura por segmentos mais seletivos nestas categorias”.

Chocolates, ou melhor os bombons continuam a ser um dos principais produtos para oferta, e “a prova disso é o facto de esta categoria continuar a crescer a dois dígitos e representar 74% do valor total de vendas de chocolate neste período”. Acrescenta ainda, que as embalagens alusivas à quadra natalícia “podem ter estado na origem do forte dinamismo de tabletes e pastilhas de chocolate, que cresceram acima dos 40% em volume e valor no Natal de 2016”.

Os dados da Nielsen demonstram que, “na passada época natalícia, se verificou um crescimento nos Bens de Grande Consumo superior à média anual e que quase 50% das vendas foram realizadas através de promoções (um crescimento de 1.3pp face ao ano anterior)”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
O que mais se compra no Natal