Comércio

Obama quer acordo de comércio livre até ao final do ano

O president Barack Obama e a chanceler alemã Angela Merkel. Fotografia: Kevin Lamarque / Reuters
O president Barack Obama e a chanceler alemã Angela Merkel. Fotografia: Kevin Lamarque / Reuters

Presidente dos EUA está de visita à Alemanha, onde se pronunciou a favor da conclusão das negociações este ano

Os Estados Unidos e a União Europeia devem “prosseguir” as negociações sobre o acordo de livre comércio, por forma a concluí-las “até ao fim do ano”, afirmou este domingo o presidente norte-americano, Barack Obama, em visita à Alemanha.

“Angela [Merkel] e eu estamos de acordo para afirmar que os Estados Unidos e a União Europeia [UE] precisam de prosseguir as negociações de um acordo comercial transatlântico”, apesar das divergências e das críticas, declarou Barack Obama numa conferência de imprensa em conjunto com a sua anfitriã alemã, na chegada a Hanôver.

“Não espero que consigamos ratificar um acordo até ao fim do ano, mas prevejo que consigamos concluir as negociações do acordo (…) e nessa altura as pessoas poderão perceber porque é que o acordo é positivo para os nossos dois países”, continuou o presidente.

Angela Merkel considerou que, “na perspetiva europeia, o acordo será uma grande ajuda ao crescimento da nossa economia”.

Os Estados Unidos e a União Europeia estão desde 2013 envolvidos no desenho de um vasto acordo de livre-comércio (designado pelos acrónimos TTIP ou Tafta), no âmbito do qual decorrerá a 13.ª ronda de negociações esta semana em Nova Iorque.

O projeto tem sido alvo da contestação cada vez mais forte da sociedade civil, como demonstrou o desfile de várias dezenas de milhares de manifestantes nas ruas de Hanôver no passado sábado, véspera da chegada de Obama à cidade.

Há mais manifestações previstas para os próximos dois dias em Hanôver, durante o tempo de estadia do presidente norte-americano na capital da Baixa Saxónia, nas margens do rio Leine.

Antes de Obama se pronunciar sobre o tema, já o ministro alemão da Economia, Sigmar Gabriel, viera advertir para a possibilidade de o acordo comercial bilateral “falhar”, se os EUA não fizerem concessões.

“Os americanos não querem abrir os seus concursos públicos às empresas na Europa. Isto é o oposto do livre comércio, na minha opinião”, disse o número dois do Governo alemão numa entrevista ao diário Handelsblatt, acrescentando que “se os americanos mantêm esta posição, não é necessário um tratado de livre comércio” e que “o TTIP irá falhar”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Indústria do calçado. 
Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal regressou ao Top 20 dos maiores produtores de calçado

Mina de carvão perto da cidade de Oaktown, Indiana, Estados Unidos. (EPA/TANNEN MAURY)

Capacidade de produção de carvão caiu pela primeira vez

(EPA/RITCHIE B. TONGO)

Microsoft mantém discussões para compra da filial da TikTok nos EUA

Obama quer acordo de comércio livre até ao final do ano