incêndios

Observatório diz que há “problemas que não estão completamente resolvidos”

Incêndios em Vila de Rei e Mação causaram 20 feridos
(Rui Oliveira/Global Imagens)
Incêndios em Vila de Rei e Mação causaram 20 feridos (Rui Oliveira/Global Imagens)

Incêndios que lavram, desde sábado, nos concelhos da Sertã, Vila de Rei e Mação mobilizam mais de mil bombeiros e 15 meios aéreos.

O Observatório Técnico Independente criado pelo parlamento para acompanhar os incêndios florestais considerou hoje que há “problemas que não estão completamente resolvidos”, acrescentando que vai fazer um relatório sobre os fogos deste fim de semana.

Contactado pela agência Lusa, o presidente do Observatório, Francisco Rego, afirmou que este organismo “não se vai pronunciar antes de ser feita uma análise bastante completa” sobre os incêndios que estão a lavrar há mais de 24 horas nos concelhos da Sertã e Vila de Rei (Castelo Branco) e que depois passou para Mação (Santarém) .

Francisco Rego adiantou que o Observatório, organismo criado pela Assembleia da República em 2018, vai fazer um relatório sobre estes fogos, mas só depois da época crítica de incêndios, em outubro.

“O que tentamos fazer em termos de observatório é manter algum distanciamento e alguma frieza na análise das ocorrências”, disse para justificar o facto em não se alongar sobre a forma como estão a ser combatidos estes incêndios.

No entanto, frisou que “é evidente que há indicadores que apontam para problemas que não estão completamente resolvidos”.

Os incêndios que lavram, desde sábado, nos concelhos da Sertã, Vila de Rei e Mação mobilizam mais de mil bombeiros e 15 meios aéreos, segundo a Proteção Civil.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

Sem acordo pós-brexit, Portugal pode exportar menos cerca de 300 milhões

marcelo

Marcelo admite possível “problema europeu” mas sem fecho de fronteiras

Foto: D.R.

PSI20 cai 2,28%. Perdas na Europa continuam devido ao coronavírus

Observatório diz que há “problemas que não estão completamente resolvidos”