OE2018

OE 2018. Estado reforça pagamento antecipado ao FMI em mil milhões de euros

Mário Centeno, Ricardo Mourinho Félix e Jeroen Dijsselbloem. Fotografia: EPA/OLIVIER HOSLET
Mário Centeno, Ricardo Mourinho Félix e Jeroen Dijsselbloem. Fotografia: EPA/OLIVIER HOSLET

Plano é chegar ao final deste ano com 7,4 mil milhões em depósitos. Pagamento ao FMI era para ser 4 mil milhões, mas sobe até 5 mil milhões em 2018.

O Estado planeia chegar ao final deste ano com 7,4 mil milhões de euros em caixa (depósitos), mais mil milhões do que o projetado em julho. Essa folga adicional vai permitir, já no âmbito do Orçamento do Estado para 2018 (OE 2018), pagar antecipadamente igual montante ao Fundo Monetário Internacional (FMI), indica a agência que gere a dívida pública (IGCP).

De acordo com a mais recente apresentação feita aos investidores, o Tesouro subiu o valor que prevê ter em caixa (liquidez), mas ao mesmo tempo também subiu a parada relativamente ao empréstimo do FMI. Em vez de quatro, o governo vai amortizar cinco mil milhões de euros durante o ano que vem.

Como tem acontecido até aqui, este valor não é definitivo, pode ser reforçado. Assim é porque pagar mais depressa ao Fundo é vantajoso: o empréstimo cedido pela instituição hoje liderada por Christine Lagarde é bastante mais caro do que o dinheiro que veio da Europa. O FMI cobra uma taxa de juro média que ronda os 4,5%, ao passo que o fundo da zona euro (ESM) cobra uma taxa final de 1,9%.

Além disso, Portugal está a conseguir ir aos mercados endividar-se a dez anos (OT ou obrigações do tesouro) a uma taxa de juro de colocação de 3,085% (leilão de julho, mercado primário). Ontem, no mercado secundário, as OT portuguesas negociavam pouco acima dos 2,8%.

Portugal já cumpriu todos os reembolsos ao FMI previstos para 2017. Em julho, o IGCP fez mais um antecipado no valor de 1.763 milhões de euros e em agosto mais 795 milhões, o que eleva as amortizações totais deste ano para 5,3 mil milhões de euros.

Segundo a agência da dívida, “a percentagem paga do empréstimo total inicial do FMI subiu para 63%”. Os últimos reembolsos antecipados feitos “correspondem a amortizações de capital que originalmente eram devidas em março e abril de 2020”.

E a ideia é “prosseguir com esta estratégia”, disse ao Dinheiro Vivo, Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado Adjunto e das Finanças.

“Muitos dizem que ter este dinheiro em depósitos, em cash, custa juros e aumenta a dívida, mas o que nós dizemos é que este dinheiro ajuda a pagar ao FMI, cujo empréstimo é muito mais caro”, logo diminuindo a fatura dos juros.

Além disso, “se anteciparmos pagamentos ao Fundo, também vamos reduzir ainda mais a dívida”, refere Mourinho Félix. E remata: “Ter uma almofada de liquidez dá segurança e confiança aos investidores. Temos as necessidades de financiamento do próximo ano cobertas a 40%-50%”. “Aos críticos desta estratégia, pergunto: qual seria o custo de mercado de não termos esta proteção?”, atira o governante.

Evan Wohlmann, o analista principal da Moody’s para Portugal, elogia a existência da tal barreira contra eventualidades. “A liquidez do governo também beneficia de uma significativa almofada de dinheiro em caixa no final do ano, que ronda os 40-50% das necessidades de financiamento do ano seguinte, o que equivale a uma janela de cerca de seis meses antes de o País precisa de aceder aos mercados”, diz o alto responsável da Moody’s.

Ainda falta pagar o equivalente a 5,4% do PIB

Ainda assim, mesmo com todo aquele esforço de pagamento antecipado, o País ainda deve o equivalente a 37% do empréstimo contraído junto do Fundo, isto é, cerca de 10.265 milhões de euros ou 5,4% do Produto Interno Bruto (PIB).

E apesar da redução na exposição ao FMI, Portugal deve, na totalidade os dois outros empréstimos concedidos durante o programa de ajustamento e de resgate.

Ao fundo da zona euro (que hoje se chama Mecanismo de Estabilidade Europeu ou ESM na sigla em inglês, mas que na altura do resgate era FEEF), o país tem a pagar 27,3 mil milhões de euros.

A este, acresce outra dívida, de 24,3 mil milhões de euros, que é a parte do resgate que foi financiada pelo MEEF, o fundo que congrega os empréstimos bilaterais e que foi organizado pela Comissão Europeia (porque na altura não havia instrumentos para salvar os países que entraram na bancarrota).

Portanto, tudo somado, a chamada dívida oficial (aos credores da troika, no âmbito do Programa de Assistência Económica e Financeira) ascende ainda a cerca de 62 mil milhões de euros.

Além desta, o Estado deve mais 177 mil milhões de euros aos mercados. Aos bancos (estrangeiros e nacionais) e às famílias portuguesas (via certificados de aforro, do tesouro, etc.), basicamente. Assim, o total global da dívida do Estado está hoje em 244,2 mil milhões de euros, indica o IGCP.

(Atualizado às 13h10, corrigindo a taxa de juro média da obrigação a 10 anos, no leilão de julho, que foi 3,085% e não 4,1% como referido inicialmente)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
OE 2018. Estado reforça pagamento antecipado ao FMI em mil milhões de euros