OE2020

OE. 31 milhões para repor redução das propinas no ensino superior

(Leonardo Negrão / Global Imagens)
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

O Governo vai destinar do Orçamento do Estado para 2020 mais de 31 milhões de euros para as instituições de ensino superior para cobrir os custos da descida da propina máxima, segundo dados do Ministério do Ensino Superior.

Em setembro, a propina máxima dos alunos do ensino superior baixou de 1.068 euros anuais para 856 euros, ou seja, menos 212 euros anuais.

O anúncio da medida, feito pelo Governo no início do ano, foi acompanhado pela promessa de não prejudicar as instituições de ensino superior, que contam com a verba das propinas como uma das principais fontes de rendimento.

O OE2020 prevê agora repor esse valor que ultrapassa os 31 milhões de euros: Serão 23 milhões para as universidades e 8,5 milhões para os politécnicos, segundo um relatório do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) a que a Lusa teve acesso.

As instituições com mais alunos inscritos serão as que mais vão receber: A Universidade de Lisboa vai receber cerca de 6,7 milhões; a Universidade de Coimbra 2,8 milhões; a Universidade do Porto 2,6 milhões e Universidade Nova de Lisboa 2,4 milhões.

Entre os politécnicos, destacam-se o Instituto Politécnico de Lisboa, que vai receber cerca de dois milhões, e o de Coimbra recebe 1,4 milhões.

O OE2020 destina para o Ensino Superior uma verba global de 1.191 milhões de euros: As universidades vão receber, no total, mais de 813 milhões e as instituições politécnicas cerca de 346 milhões.

Comparando com os valores do anterior OE há um aumento de cerca de 55 milhões para as instituições de ensino superior.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro critânico, Boris Johnson, (E) recebe a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen (D) no n.º 10 de Downing Street em Londres.  EPA/ANDY RAIN

Empresas portuguesas têm curso online sobre o brexit

Isabel dos Santos com o CEO da EFACEC, Ângelo Ramalho, e o então ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral
(Pedro Granadeiro/Global Imagens)

Sonae e Mello podem assumir NOS e Efacec

Manuel Dias dos Santos, porta voz da Plataforma Reflexão Angola.
(Ana Pereira da Costa/Global Imagens)

“Como Isabel dos Santos se livra de ativos em Portugal? Devia ser impedido”

OE. 31 milhões para repor redução das propinas no ensino superior