OE2018

OE2018: Costa salienta que proposta do Governo será de “continuidade”

Fotografia: José Coelho/LUSA
Fotografia: José Coelho/LUSA

Primeiro-ministro recorda que Orçamento do Estado dará condições para "reposição" de rendimentos e redução do défice e da dívida pública.

O primeiro-ministro salientou hoje que a proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2018 será de continuidade face a 2016 e 2017, com “reposição” de rendimentos e redução do défice e da dívida pública.

António Costa falava aos jornalistas no final de uma reunião de hora e meia com o Grupo Parlamentar do PS, que teve como temas centrais o Orçamento do próximo ano e a estratégia de Portugal para a próxima década no que respeita a investimentos e fundos comunitários.

“O próximo Orçamento será de continuidade face à linha que temos vindo a seguir com reposição dos rendimentos das famílias, criação de condições de investimento e redução sustentada do défice e da dívida pública”, declarou o líder do executivo.

Confrontado com a intenção manifestada por dirigentes do Bloco de Esquerda e do PCP de que o país terá de dar passos mais acelerados em matéria orçamental no próximo ano, António Costa desdramatizou essa posição.

O primeiro-ministro classificou mesmo essas reações do Bloco de Esquerda e do PCP como “muito positivas”.

“É o trabalho que temos estado a fazer em conjunto e que temos sempre feito, demonstrando que é possível fazer avanços na melhoria das condições de vida dos portugueses e da economia do país”, respondeu.

De acordo com o primeiro-ministro, a linha a seguir passa pela introdução de “avanços sustentados na melhoria das condições de vida, consolidando simultaneamente as finanças públicas”.

“É esse o caminho que temos feito em conjunto”, insistiu.

Interrogado sobre quantos novos escalões aceita o Governo criar em sede de IRS, António Costa recusou-se a entrar em detalhes, apenas referindo que as medidas fundamentais do Orçamento para 2018 serão o descongelamento das carreiras da administração pública e o aumento da progressividade do IRS.

“Mas não vale a pena estarmos a falar de medidas isoladas, porque as medidas só valem no seu conjunto – e só teremos as medidas todas no seu conjunto quando as negociações estiverem todas concluídas. No dia 13 de outubro, quando o Orçamento for entregue na Assembleia da República, então, seguramente, haverá a tradicional conferência de imprensa no Salão Nobre do Ministério das Finanças”, disse.

Neste contexto, António Costa reforçou que as medidas do Orçamento “não serão fechadas individualmente”, porque a proposta orçamental “é um todo e cada uma delas influencia as demais”.

“Quando for possível juntar as diferenças peças que compõem o Orçamento, então poderemos estabelecer qual foi o ponto ótimo de satisfação das diferentes pretensões. Pretensões que têm de simultaneamente satisfazer a continuação da melhoria das nossas finanças públicas, a contribuição sustentada para a redução da dívida, a melhoria das condições de investimento, a continuidade de uma política económica de crescimento e de criação de emprego e, também, a reposição do rendimento das famílias”, acrescentou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Tiago Melo

Crédito chega às famílias mas nunca foi tão baixo para as empresas

Francisco de Lacerda, CEO dos CTT

Especuladores têm aposta de 35 milhões na queda das ações dos CTT

Foto: DR

Luta pelos cargos de topo do BCE aquece. Espanha favorita no primeiro round

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
OE2018: Costa salienta que proposta do Governo será de “continuidade”