economia mundial

Oito minutos do seu dia são para pagar o pequeno-almoço

(DR.)
(DR.)

De acordo com o índice da Bloomberg, a primeira refeição do dia tem um peso de 1,8% a 2,7% no salário dos portugueses.

Um copo de leite, um ovo, uma torrada de duas fatias e uma peça de fruta. É este o pequeno-almoço da Bloomberg. Foi o custo destas unidades que a publicação analisou para determinar, no seu Bloomberg Global City Breakfast Index, qual o peso da primeira refeição do dia no salário dos cidadãos de 129 centros financeiros mundiais.

Em Lisboa, o peso do pequeno-almoço situa-se entre os 1,8% a 2,7%. Um português demorará sensivelmente oito minutos do seu dia de trabalho para conseguir pagar a refeição matinal. A capital portuguesa é mais custosa que Madrid e que a maioria dos centros da Europa ocidental e do norte, onde o preço dos itens da Bloomberg representa entre 1,4% e 1,8% dos salários, ou até abaixo dos 1,4% em cidades como Londres ou Dublim. Por outro lado, na Europa de Leste, a primeira refeição do dia pode custar entre 2,7 a 4,4% dos salários, ou mesmo mais que 4,4% em locais como Kiev, na Ucrânia.

A Bloomberg utilizou os dados da plataforma online Numbeo, considerada a maior base de dados mundial feita através da contribuição dos utilizadores. Os números gerais mais recentes foram atualizados esta quinta-feira e, para Portugal, a plataforma contou com a contribuição de 1104 utilizadores ao longo dos últimos 18 meses.

A Numbeo indica que o custo de vida em Portugal é 35,11% mais baixo que o dos Estados Unidos, que o salário médio é 795€, a renda de um apartamento de um quarto no centro da cidade custará 467,57€ e uma refeição completa para duas pessoas num restaurante médio ficará em 30 euros. Outros itens são ainda avaliados, desde produtos de mercaria a despesas escolares, passando também por mensalidades em ginásios.

Com o índex do pequeno-almoço a Bloomberg utilizou os dados da Numbeo para comparar o custo de vida das pessoas em termos globais, chegando à conclusão que, nas economias mais ricas, um pequeno-almoço tem um peso muito inferior nas carteiras do que tem em países mais pobres. Se em Zurique, um suíço paga a primeira refeição do dia nos primeiros cinco minutos de trabalho, em Accra, os ganeses precisam de mais de uma hora. Existem ainda situações extremas com a de Caracas. Com o país em crise, um venezuelano pode precisar de nove horas para pagar o seu pequeno-almoço.

A publicação lembra que os preços proibitivos nalguns países contribuíram para o aumento da fome e dos protestos nos países subdesenvolvidos e que os custos apresentados demonstram o impacto que têm as trocas económicas entre países na vida dos cidadãos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo, Mário Centeno. 
(ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA)

Défice encolhe para os 576 milhões de euros até agosto

Pedro Marques, ministro do Planeamento e das Infraestruturas. Fotografia: Sara Matos / Global Imagens

“Não há ninguém condenado” no caso da compra da VEM

TDT

Anacom quer ver resolvidos problemas da TDT antes da migração para 5G

Outros conteúdos GMG
Oito minutos do seu dia são para pagar o pequeno-almoço